Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo federal

Edição impressa de 15/01/2020. Alterada em 15/01 às 03h00min

Bolsonaro consentiu estratégia em caso Queiroz, afirma livro

'É fake news', diz Bolsonaro sobre informações apuradas pela autora, a jornalista Thaís Oyama

'É fake news', diz Bolsonaro sobre informações apuradas pela autora, a jornalista Thaís Oyama


EVARISTO SA/AFP/JC
A ausência do ex-policial militar Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), em depoimentos convocados pelo Ministério Público (MP-RJ) teria contado com o consentimento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), segundo um livro-reportagem que será lançado na próxima semana.
A ausência do ex-policial militar Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), em depoimentos convocados pelo Ministério Público (MP-RJ) teria contado com o consentimento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), segundo um livro-reportagem que será lançado na próxima semana.
Na obra, a jornalista Thaís Oyama afirma que Bolsonaro e o advogado Frederick Wasseff atuaram para postergar o depoimento de Queiroz e levar o caso ao Supremo Tribunal Federal (STF), contrariando orientação dos advogados.
O relato está em Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos, com lançamento marcado para a próxima segunda-feira (20), pela Companhia das Letras. Thaís Oyama é atualmente comentarista da rádio Jovem Pan e foi redatora-chefe da revista Veja. Na manhã desta terça-feira (14), Bolsonaro se negou a comentar a publicação. "O livro é fake news, um livro mentiroso, não vou responder sobre o livro."
De acordo com a autora, a estratégia inicial da defesa de Fabrício Queiroz seria o comparecimento na data em que o depoimento foi marcado. Ainda segundo a publicação, Queiroz diria que não poderia prestar esclarecimentos até que seus advogados tivessem acesso à investigação, e assumiria total responsabilidade pelas transferências financeiras - um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) havia identificado transações incompatíveis com sua renda, e depósitos feitos por outros funcionários do gabinete de Flávio na Alerj, conforme revelou o jornal O Estado de S. Paulo.
O plano da defesa, no entanto, teria sido abortado por ordem de Bolsonaro, após ele ser convencido de que deveria levar o caso ao STF. "O presidente eleito fora convencido por um advogado amigo que a melhor estratégia para abafar a história era tirar Queiroz e o Ministério Público Estadual do cenário e, por meio do foro privilegiado de Flávio, jogar o caso para o STF - onde poderiam resolvê-lo 'de outra maneira'", escreve Thaís.
Ela atribui a estratégia a Frederick Wassef, atual advogado de Flávio e do presidente. Procurado, o advogado não retornou as ligações. 
Um detalhe que teria surpreendido a cúpula ao redor do então presidente eleito, segundo a autora, foi um depósito de Fabrício Queiroz à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, identificado pelo Coaf. A informação sobre a transferência consta em reportagem publicada pelo Estado em dezembro de 2018. O presidente já havia sido informado sobre a existência do relatório, de acordo com o livro, mas não sobre o repasse.

Planalto não comenta suposta intenção de demitir Moro

Com base em um pedido da defesa de Flávio, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, decidiu suspender ano passado todas as investigações que utilizavam relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) - decisão depois revertida no fim de 2019.
O livro afirma que uma articulação pela derrubada da liminar quase custou o cargo do ministro da Justiça, Sérgio Moro. Segundo a autora, Moro procurou Toffoli para argumentar contra a suspensão, que prejudicava centenas de investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal.
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teria ficado furioso, diz a autora, e dissuadido da demissão pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno.
"O general Heleno, que já tinha gastado seu arsenal de argumentos em defesa do ministro, ao notar a determinação do presidente, descarregou a última bala: 'Se demitir o Moro, o seu governo acaba', disse", escreve Thaís Oyama em Tormenta. Procurado, o Palácio do Planalto disse que não comentaria as afirmações no livro oficialmente. A defesa de Fabrício Queiroz não foi localizada pela reportagem.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia