Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Assembleia Legislativa

Edição impressa de 14/01/2020. Alterada em 14/01 às 06h59min

Para líder do MDB, projeto da Previdência dos militares gaúchos é inconstitucional

Líder da bancada do MDB diz que matéria pode ser objeto de litígio

Líder da bancada do MDB diz que matéria pode ser objeto de litígio


CLAITON DORNELLES /JC
Marcus Meneghetti
O deputado estadual Fábio Branco - líder da maior bancada da base aliada, a do MDB - acredita que é inconstitucional o projeto que altera as alíquotas da contribuição previdenciária dos servidores públicos militares.
O deputado estadual Fábio Branco - líder da maior bancada da base aliada, a do MDB - acredita que é inconstitucional o projeto que altera as alíquotas da contribuição previdenciária dos servidores públicos militares.
Nas reuniões para tratar do pacote que altera a carreira e a Previdência do funcionalismo, que reúnem membros do Executivo e da base desde a semana passada, Branco tem defendido que a reforma da Previdência dos militares já determinou que os percentuais de contribuição da categoria devem variar de 7,5% a 10,5%. 
Em entrevista ao Jornal do Comércio nesta semana, o líder do governo, Frederico Antunes (PP), admitiu que o projeto de lei que trata da contribuição dos militares é objeto de discussão - justamente pela aprovação da legislação federal. "Montamos uma mesa de debates para estudar se vamos apresentar as alíquotas que propúnhamos inicialmente, de 14%, 16% e 18%; ou se vamos reproduzir o que fizemos com as alíquotas dos civis (cujo texto, aprovado em dezembro de 2019, transformou as três faixas de contribuições de 14% a 18% em oito faixas que variam de 7,5% a 22% de contribuição); ou se vamos ter a obrigação de implementar as alíquotas da lei federal", ponderou Antunes. 
O líder do MDB já tem uma posição: "Desde o ano passado, temos defendido junto ao governo a inconstitucionalidade do projeto (que modifica as alíquotas dos militares), tendo em vista que a lei federal (da reforma da Previdência dos militares) já legislou sobre as alíquotas. Continuamos com essa posição. A lei federal determinou a contribuição dos militares (de 7,5 a 10,5%)".
E sugere: "Se o governo entende que a lei federal é inconstitucional, que questione a constitucionalidade desta norma antes de votarmos na Assembleia. Não queremos aprovar um projeto que, logo ali na frente, pode ser objeto de litígio judicial. A gente não sabe se o Judiciário vai dar uma liminar modificando as alíquotas ou, quem sabe, vai continuar não cobrando as alíquotas".
Antunes também revelou que o Palácio Piratini deve modificar o projeto que reformula a carreira dos professores, por conta do reajuste de 12,82% no piso nacional do magistério. Quanto a isso, os emedebistas vão esperar o novo projeto. O que garantem é que continuam contra a primeira versão da proposta.
"Quando o governador nos chamou para a reunião de terça, disse que haveria um trabalho interno do Executivo, porque o novo valor do piso realmente inviabilizaria o projeto que estava na Assembleia. Também disse que deixaria essa discussão para depois", avaliou Branco. 
E complementou: "O projeto original era muito tuim. Vamos esperar para ver o que o governo vai reapresentar e aí nós, da bancada do MDB, vamos rediscuti-lo junto com os deputados e os técnicos. Somos contra ao projeto anterior. Se o governo colocar aquele em votação, votaremos contra".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia