Porto Alegre, domingo, 27 de setembro de 2020.
Dia Mundial do Turismo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 27 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

presidência da república

- Publicada em 03h00min, 09/01/2020.

Bolsonaro ironiza Lula sobre crise de Estados Unidos e Irã

Bolsonaro fez questão de ser filmado assistindo ao discurso de Donald Trump

Bolsonaro fez questão de ser filmado assistindo ao discurso de Donald Trump


REPRODUÇÃO FACEBOOK/DIVULGAÇÃO/JC
Em mais uma manifestação de apoio aos Estados Unidos no conflito contra o Irã, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu nesta quarta-feira (8) que o Brasil deve repudiar o terrorismo e criticou a postura dos governos petistas em relação ao país do Oriente Médio.
Em mais uma manifestação de apoio aos Estados Unidos no conflito contra o Irã, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu nesta quarta-feira (8) que o Brasil deve repudiar o terrorismo e criticou a postura dos governos petistas em relação ao país do Oriente Médio.
Em vídeo, o presidente ironizou a crítica feita a ele de que o Brasil não deveria se posicionar sobre a disputa externa e respondeu a uma declaração feita mais cedo pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
Em mensagens nas redes sociais, o petista defendeu que o momento não é adequado para o Brasil se envolver na briga e chamou Bolsonaro de um "lambe-botas" do presidente norte-americano Donald Trump.
"A nossa Constituição aqui diz, no artigo quarto: A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios: a defesa da paz e no repúdio ao terrorismo", respondeu Bolsonarono vídeo.
Na live de 10 minutos, Bolsonaro fez questão de ser filmado assistindo ao discurso do presidente dos Estados Unidos. A transmissão vista por ele era feita pela GloboNews, canal que integra o Grupo Globo, alvo frequente de críticas do presidente.
"Muitos acham que o Brasil deve se omitir no tocante aos acontecimentos. Queira dizer apenas uma coisa. O senhor Luiz Inácio Lula da Silva, enquanto presidente da República, esteve no Irã", afirmou.
Em 2010, o petista viajou para o Irã e participou das negociações sobre um acordo nuclear que limitou a utilização pelo país do urânio enriquecido a 20%, suficiente para reatores de pesquisa, mas insuficiente para fabricação de bomba. O acordo não foi fechado.
Na gravação, no entanto, Bolsonaro acusou Lula de ter defendido, na época, ao então presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad, que o país enriquecesse urânio acima do percentual mínimo estipulado, apesar do acordo definir o contrário.
"Nós temos que seguir as nossas leis. Nós não podemos extrapolar. Mas acredito que a verdade tem que fazer parte do nosso dia a dia, porque nós queremos paz no mundo", afirmou. "O senhor Lula, enquanto presidente, esteve no Irã e lá defendeu, naquela época, que aquele país enriquecesse urânio acima de 20%, que era para fins pacíficos", acrescentou.
No discurso, assistido por Bolsonaro, Trump disse que o Irã está "se acalmando", que Washington vai impor novas sanções e que a pressão econômica é a melhor arma do país.
O norte-americano voltou a repetir que não permitirá que o Irã tenha acesso a armas nucleares e que os dois países deveriam trabalhar juntos em assuntos prioritários, como a luta contra o Estado Islâmico.
Comentários CORRIGIR TEXTO