Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

justiça eleitoral

Edição impressa de 09/01/2020. Alterada em 09/01 às 03h00min

TSE abre novo prazo em licitação de urnas eletrônicas

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta quarta-feira (8) manter a desclassificação das duas empresas que concorrem em licitação para fornecer urnas eletrônicas para as eleições de 2020.
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta quarta-feira (8) manter a desclassificação das duas empresas que concorrem em licitação para fornecer urnas eletrônicas para as eleições de 2020.
Com isso, ambas as concorrentes terão novo prazo para apresentar um outro modelo de urna para análise técnica, conforme cronograma a ser publicado pelo tribunal. O TSE abriu licitação em setembro de 2018 para substituir equipamentos de 2006 e 2008, considerados obsoletos.
Há preocupação com o prazo para que a licitação seja concluída, uma vez que a intenção é de que as novas urnas funcionassem já no pleito municipal.
O tribunal não apresentou ainda um plano de contingência caso a renovação das 180 mil urnas não seja possível.
Os ministros presentes decidiram de forma unânime não receber o recurso da empresa Smartmatic, que havia sido negado pela presidente da corte, ministra Rosa Weber, em dezembro.
Segundo os ministros Edson Fachin, Og Fernandes, Benedito Gonçalves, Tarcísio Vieira de Carvalho e Sergio Banhos, além da própria relatora, o plenário do tribunal não poderia ser considerado hierarquicamente superior à decisão monocrática da presidente no caso de um recurso administrativo. Ou seja, o colegiado não teria competência para revisar a decisão de Rosa.
A Smartmatic havia pedido para que sua desclassificação por questões técnicas fosse reavaliada. Assim, ficaria como única concorrente, uma vez que a Positivo também não passou na fase de apresentação do modelo por falta de autonomia da bateria da urna, que deve ser de no mínimo 10 horas.
De acordo com o procurador-geral eleitoral, Humberto Jacques, se tratava de uma tentativa de "chegar à vitoria não necessariamente pelo caminho da excelência, mas pelo caminho da não participação do seu adversário".
A licitação tem valor de R$ 696,4 milhões e limite de R$ 766 milhões para o montante a ser contratado (o valor inicial, mais 10%). O volume que o tribunal pretende adquirir representa 32% das 550 mil urnas existentes hoje no País.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia