Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 13 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

12/09/2019 - 12h34min. Alterada em 13/09 às 09h52min

Justiça determina volta de exposição de charges na Câmara de Vereadores

Mostra foi retirada de exibição menos de 24 horas depois de inaugurada no plenário da Casa

Mostra foi retirada de exibição menos de 24 horas depois de inaugurada no plenário da Casa


Gabinete Marcelo Sgarbossa/Reprodução/JC
A Justiça de Porto Alegre determinou nesta quinta-feira (12) a volta da exposição Independência e Risco, que havia sido censurada na Câmara de Vereadores da Capital. Ontem, um mandado de segurança foi protocolado pelo vereador Marcelo Sgarbossa, cartunistas e entidades pedindo o retorno da exposição.
A Justiça de Porto Alegre determinou nesta quinta-feira (12) a volta da exposição Independência e Risco, que havia sido censurada na Câmara de Vereadores da Capital. Ontem, um mandado de segurança foi protocolado pelo vereador Marcelo Sgarbossa, cartunistas e entidades pedindo o retorno da exposição.
A mostra havia sido aberta no dia 2 de setembro e trazia cartuns que ofenderiam o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL). Menos de 24 horas depois de inaugurada, no entanto, a presidente da Câmara Mônica Leal (PP) ordenou a retirada das charges do plenário da Casa. A atitude da vereadora foi considerada ato de censura por parte dos colegas.
Notícias sobre Porto Alegre são importantes para você?
> Veja as charges que fazem parte da mostra
A decisão, assinada pelo juiz Cristiano Flores, da 3ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, determina que as obras sejam relocadas "imediatamente" em exposição, assegurados os mesmos 12 dias de período solicitado para a mostra. O texto cita a Constituição Federal e diz que "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia