Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Operação Lava Jato

- Publicada em 03h08min, 27/08/2019. Atualizada em 03h00min, 27/08/2019.

Em sigilo, juiz suspende processo contra Deltan Dallagnol

Diante da possibilidade real de ser punido pela primeira vez no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o procurador Deltan Dallagnol conseguiu uma decisão favorável da Justiça Federal no Paraná para que o processo a que responde seja retirado da pauta que será votada nesta terça-feira (27).
Diante da possibilidade real de ser punido pela primeira vez no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o procurador Deltan Dallagnol conseguiu uma decisão favorável da Justiça Federal no Paraná para que o processo a que responde seja retirado da pauta que será votada nesta terça-feira (27).
Em decisão assinada em um plantão, às 17h37min do domingo (25), em um processo sigiloso, o juiz Nivaldo Brunoni acatou o argumento do procurador de que não houve tempo suficiente para a defesa e determinou a "imediata" suspensão do processo administrativo disciplinar (PAD) que seria julgado no CNMP.
Brunoni já atuou na Lava-Jato, quando convocado para atuar no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Foi dele a autorização da ordem de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O juiz tomou a decisão a favor de Dallagnol de forma sigilosa - não é possível consultar o processo no sistema. O procurador teria ingressado no sábado com a ação para suspensão do PAD, segundo fontes a par do processo, o que levou a uma decisão por parte do magistrado em regime de plantão. Dallagnol pediu mais dez dias para entrega de sua defesa ao CNMP.
O procurador poderia sofrer uma primeira punição no CNMP, colegiado responsável por analisar eventuais abusos na conduta de integrantes do Ministério Público. 
O que estava pronto para ser julgado no CNMP é um PAD aberto em 2018 em razão de entrevista dada por Deltan com acusação de "leniência com a corrupção" feita a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).
Na última sessão, o plenário negou um recurso de Deltan para que o processo não fosse levado adiante. O PAD havia sido colocado novamente na pauta. Se a presidente do CNMP, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, chamasse o processo para votação, conselheiros acreditam que Deltan poderia ser punido, mas com uma simples censura ou advertência. No entendimento desses conselheiros, a acusação feita a ministros do STF não enseja punições mais severas, como uma suspensão ou mesmo o afastamento do cargo.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO