Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo federal

Alterada em 21/08 às 20h16min

Onyx: não há decisão ainda de colocar Petrobras como um todo no PPI

O ministro afirmou que o governo realizará estudos para definir o futuro da Petrobras

O ministro afirmou que o governo realizará estudos para definir o futuro da Petrobras


JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
Estadão Conteúdo
O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que o governo ainda não decidiu colocar a Petrobras na carteira do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Quando uma empresa passa a fazer parte do PPI, é possível iniciar estudos para decidir a respeito de uma futura privatização. "Não há decisão ainda de colocar a Petrobras como um todo no PPI", disse.
O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que o governo ainda não decidiu colocar a Petrobras na carteira do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Quando uma empresa passa a fazer parte do PPI, é possível iniciar estudos para decidir a respeito de uma futura privatização. "Não há decisão ainda de colocar a Petrobras como um todo no PPI", disse.
O ministro afirmou que o governo ainda realizará estudos para definir o futuro da companhia. Esses estudos serão realizados pelo próprio PPI, pelo BNDES e pelo Ministério de Minas e Energia. Segundo ele, isso será feito de forma criteriosa. "Temos muito a fazer antes de poder trazer todas as áreas (da Petrobras) em processos de privatização", afirmou. "A Petrobras é gigantesca. O MME vem conduzindo um processo adequado e feito estudos de profundidade", disse o ministro, referindo-se a estudos para venda de refinarias.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia