Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de agosto de 2019.
Dia Nacional da Juventude .

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

Alterada em 12/08 às 13h48min

Maia diz que trabalhará para mudar salário médio de R$ 30 mil na Câmara

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, informou que o debate terá início neste semestre

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, informou que o debate terá início neste semestre


EVARISTO SA /AFP/JC
Estadão Conteúdo
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que vai trabalhar para mudar o salário médio de R$ 30 mil na Câmara dos Deputados para diminuir o custo da administração pública, que, segundo ele, ficou "cara". "A administração pública custa 67% a mais que o setor privado. Nos estados, a média é 30% maior. Não podemos ter salário médio de R$ 30 mil na Câmara dos Deputados", disse ele, em evento promovido pelo Santander Brasil, na manhã desta segunda-feira, 12, em São Paulo.
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que vai trabalhar para mudar o salário médio de R$ 30 mil na Câmara dos Deputados para diminuir o custo da administração pública, que, segundo ele, ficou "cara". "A administração pública custa 67% a mais que o setor privado. Nos estados, a média é 30% maior. Não podemos ter salário médio de R$ 30 mil na Câmara dos Deputados", disse ele, em evento promovido pelo Santander Brasil, na manhã desta segunda-feira, 12, em São Paulo.
Segundo Maia, o Governo já garantiu que encaminha ao Congresso uma reforma da administração pública.
Ele espera que a mudança estimule o Supremo Tribunal Federal (STF) a fazer a mesma coisa.
Maia informou ainda que o debate terá início no segundo semestre e que essa é uma agenda decisiva do ponto de vista do gasto público.
"Os servidores têm direito adquirido. Não vamos olhar para trás, mas para frente, para reorganizar a máquina para que quando tenhamos de contratar novos servidores já tenhamos uma outra estrutura", disse o presidente da Câmara.
Maia afirmou que é muito importante voltar a se construir carreiras na administração pública. Segundo ele, o servidor público tem estabilidade, mas quer ganhar como o setor privado. Nesses casos, aconselhou pedir demissão e migrar de lado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia