Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de julho de 2019.
Feriado em São Paulo - Revolução Constitucionalista.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Reforma da Previdência

Alterada em 09/07 às 17h26min

Bolsonaro diz que categorias da segurança pública deverão sair de texto da reforma

Segundo Bolsonaro, mudanças para as categorias farão parte de um projeto de lei complementar

Segundo Bolsonaro, mudanças para as categorias farão parte de um projeto de lei complementar


Marcos Corrêa/PR/JC
Folhapress
O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (9) que as novas regras de aposentadoria para integrantes de forças policiais deverão sair do texto da reforma previdenciária.
O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (9) que as novas regras de aposentadoria para integrantes de forças policiais deverão sair do texto da reforma previdenciária.
Em lançamento de um programa de trabalho voluntário, ele afirmou que as mudanças para as categorias da área de segurança farão parte de um projeto de lei complementar que será apresentado posteriormente.
"Pelo que tudo indica, que chegou ao meu conhecimento é que essas classes da segurança publica deverão sair da PEC [Proposta de Emenda à Constituição] e deverão compor uma lei complementar tão logo seja promulgada essa emenda", disse.
Desde a semana passada, representantes dos policiais federais e rodoviários vinham reivindicando regras mais brandas de aposentadoria, como as de policiais militares.
Bolsonaro capitaneou uma negociação em benefício das forças policiais, mas a comissão especial da Câmara dos Deputados manteve o formato anterior, com regras mais duras.
"O que eu tenho falado é a questão do privilegio. Todo mundo está colaborando de uma forma ou de outra com essa questão da reforma previdenciária. Agora, privilégio essa classe nunca teve. Então, acho que o ajuste passa por aí", disse.
O presidente disse ainda que nunca é tarde para "desfazer possíveis injustiças" e considerou justo que categorias reivindiquem mudanças no texto da proposta.
"Nunca é tarde para desfazer possíveis injustiças, né. Uma ou outra categoria se sente prejudicada. É justo o reclame deles e o que se fala em possíveis transições", disse.
Bolsonaro voltou a fazer elogios ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a quem chamou de "comandante". Ele é o responsável por pautar a iniciativa em plenário.
O presidente disse ainda esperar que a reforma previdenciária seja votada em dois turnos até o sábado (12). A expectativa do Palácio do Planalto é de que a tramitação da proposta tenha início nesta terça-feira (9).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia