Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de julho de 2019.
Dia do Padeiro.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Governo federal

Alterada em 08/07 às 03h00min

Bolsonaro assiste à final da Copa América com Moro e Guedes

No Maracanã, presidente cumprimentou vencedores e comemorou com a seleção brasileira de futebol

No Maracanã, presidente cumprimentou vencedores e comemorou com a seleção brasileira de futebol


/CARL DE SOUZA/AFP/JC
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi ao Maracanã neste domingo acompanhar o nono título da seleção brasileira na Copa América. Após a cerimônia oficial, ele foi até os jogadores que celebravam e, sob gritos de "mito" de alguns atletas, posou com o troféu de campeão.
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi ao Maracanã neste domingo acompanhar o nono título da seleção brasileira na Copa América. Após a cerimônia oficial, ele foi até os jogadores que celebravam e, sob gritos de "mito" de alguns atletas, posou com o troféu de campeão.
O presidente estava no gramado para a entrega das medalhas e premiações aos jogadores. Sob vaias e aplausos, entrou em campo ao lado de Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol, que foi quem entregou a taça para o capitão Daniel Alves erguer.
Junto de Domínguez, do ministro da Justiça, Sérgio Moro, do presidente da CBF, Rogério Caboclo, do mandatário da Federação Peruana de Futebol, Manuel Burga, e de Neymar, ficou na primeira fileira das tribunas do Maracanã durante a partida.
Ao contrário do que aconteceu no Mineirão, quando o presidente da República desceu ao gramado no intervalo, Bolsonaro se limitou a tirar fotos com torcedores entre os dois tempos do jogo.
O ministro da Economia, Paulo Guedes, também ficou ao lado de Bolsonaro. O chanceler Ernesto Araújo, chegou minutos depois e demorou um certo tempo em entender onde deveria sentar-se.
Também entrou ao estádio pouco depois do presidente o general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que recentemente foi alvo de ataques do vereador Carlos Bolsonaro, um dos filhos do presidente, que não fez parte da comitiva.
Os que sim foram incluídos foram o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ) e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). Estiveram presentes ainda os ministros Osmar Terra (Cidadania) e o embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley. Pelo Twitter, o presidente compartilhou a sua reação e a de Moro no primeiro gol da seleção brasileira, marcado por Everton Cebolinha. "Vamos!", escreveu ele, que chegou a se desequilibrar durante a celebração.
Na sexta-feira, o presidente afirmou que pretendia levar Moro para o gramado do Maracanã, em um espécie de "teste de popularidade" do governo depois da divulgação de novas mensagens atribuídas a Moro e procuradores da Lava Jato.
"Pretendo domingo não só assistir à final do Brasil com o Peru, bem como, se for possível e a segurança me permitir, iremos (Bolsonaro e Moro) ao gramado. O povo vai dizer se estamos certos ou não", disse o presidente, na ocasião.
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia