Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de junho de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR| CORRIGIR

Câmara dos Deputados

17/06/2019 - 13h29min. Alterada em 17/06 às 13h42min

Caso Levy não atinge a Câmara, que está blindada da 'usina de crises', diz Maia

Maia disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, não agiu de forma adequada na demissão

Maia disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, não agiu de forma adequada na demissão


Marcelo Camargo/Agência Brasil/JC
Estadão Conteúdo
Em entrevista à emissora BandNews, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a Câmara dos Deputados está "blindada da usina de crises que começou a ser criada na última sexta-feira (14) pela equipe econômica" do governo.
Em entrevista à emissora BandNews, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a Câmara dos Deputados está "blindada da usina de crises que começou a ser criada na última sexta-feira (14) pela equipe econômica" do governo.
Maia fez o comentário ao ser questionado sobre o pedido de demissão do agora ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Joaquim Levy. A demissão é "um direito do governo", mas o ministro da Economia, Paulo Guedes, não agiu de forma adequada ao comentar o assunto, "apesar de ser um homem educado", afirmou Maia.
O presidente da Câmara reforçou que está otimista sobre a agenda da reforma da Previdência, que deve ser votada na semana que vem na Comissão Especial. "Esperamos que seja votada em plenário ainda no primeiro semestre, antes do dia 15 de julho, quando entramos no recesso". Afirmou, também, que "aprovada a Previdência no dia 26, a gente instala a Comissão da reforma tributária dia 27 e começa a trabalhar nela".
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia