Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de junho de 2019.
Dia dos Namorados.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

reforma da Previdência

Alterada em 12/06 às 09h42min

Podemos votar Previdência neste semestre se governadores ajudarem, diz Ramos

Presidente da Comissão Especial citou que abrirá para a discussão da matéria

Presidente da Comissão Especial citou que abrirá para a discussão da matéria


JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
Estadão Conteúdo
O deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM), presidente da Comissão Especial que analisa a Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, disse na manhã desta quarta-feira (12), em entrevista à rádio CBN que é possível que a reforma seja votada na Comissão ainda no primeiro semestre, desde que os governadores que já se declararam favoráveis à matéria incentivem suas bancadas.
"Não adianta governadores embarcarem sozinhos, eles têm que trazer as bancadas e ainda não percebemos isso em partidos de oposição, como o PT", disse Ramos. O deputado ponderou, no entanto, que isso também depende da articulação da Presidência da República, que até agora demonstrou "falta de sensibilidade para negociar com os governadores".
O parlamentar ainda citou que, a partir da semana que vem, abrirá para a discussão da matéria, vislumbrando uma votação na Comissão ainda este mês. "Depois, no Plenário, depende do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ). Na comissão preciso de maioria simples, de 25 votos, enquanto no plenário precisamos de 308 votos", ressaltou.
Ramos disse ainda que os governadores querem que a reforma inclua Estados e municípios porque sabem que "sem a reforma da Previdência, o Brasil todo vira o Rio de Janeiro ou Minas Gerais, que não conseguem pagar o funcionalismo público".
CORRIGIR