Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo do estado

Edição impressa de 23/05/2019. Alterada em 23/05 às 13h59min

Eduardo Leite faz elogios a José Ivo Sartori

Atual chefe do Executivo já havia feito discurso de aproximação com emedebista durante cerimônia de posse

Atual chefe do Executivo já havia feito discurso de aproximação com emedebista durante cerimônia de posse


/LUIZA PRADO/JC
Guilherme Kolling e Bruna Suptitz
O governador Eduardo Leite (PSDB) fez elogios a José Ivo Sartori (MDB) durante entrevista exclusiva ao Jornal do Comércio, que será publicada amanhã, no caderno especial Dia da Indústria. O chefe do Executivo gaúcho analisava a tramitação dos projetos sobre a privatização das estatais de energia - as companhias Estadual de Energia Elétrica (CEEE), de Gás do Rio Grande do Sul (Sulgás) e Riograndense de Mineração (CRM), destacando o protagonismo da Assembleia Legislativa, quando se referiu ao antecessor.
Leite fez questão de salientar a participação de Sartori na aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que retirou a obrigatoriedade do plebiscito para a venda das empresas, apontando o emedebista como decisivo para o amadurecimento do debate público sobre as privatizações, tema que permeou quase todo o mandato do ex-governador (2015-2018).
"Quero ressaltar o papel do ex-governador Sartori. Eu não me sinto vitorioso sozinho nesse processo, quero deixar isso claro. Se conseguimos fazer prosperar em 90 dias desde que protocolamos esta matéria na Assembleia (PEC de retirada do plebiscito), é porque houve um debate anterior, que fez com que isso amadurecesse na sociedade e com o Parlamento", observou Leite.
"O fato de o ex-governador Sartori ter trazido esse tema ao debate certamente ajudou para que nós chegássemos aqui com esse assunto bastante compreendido no Parlamento, para que ele pudesse avançar rapidamente", completou o tucano.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Ontem, na Federasul, Leite voltou a afirmar que não considera essa vitória como sendo apenas do atual governo. "Quero publicamente deixar meu registro de que divido essa vitória com todos os deputados que nos apoiaram e divido com o ex-governador Sartori, que trouxe esse tema à discussão, (chegando) a esse governo que é de evolução, e não de ruptura."
Apesar de ter vencido essa etapa há duas semanas, o governo ainda não enviou ao Legislativo os projetos para alienação das estatais, pois segue negociando a redação e o encaminhamento com os parlamentares da base.
Leite considera normais as dúvidas dos deputados estaduais sobre os projetos de lei específicos sobre a venda de CEEE, Sulgás e CRM. Desde a aprovação da PEC, há duas semanas, reuniões semanais entre o Executivo e deputados simpáticos à proposta têm servido para discutir tecnicamente as privatizações.
"O governo está aberto a discutir e identificar as melhores soluções para que o projeto possa chegar na Assembleia Legislativa já bastante compreendido pelas bancadas. E uma vez que seja protocolado, temos a expectativa que se esgote esse processo todo antes do recesso (na segunda metade de julho)", concluiu. Essa etapa é necessária para a adesão ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF), que estabelece novos parâmetros para o pagamento da dívida com a União e permitirá ao Estado contrair financiamentos e antecipar receitas.
Os elogios públicos a Sartori, nesta quarta-feira, vieram um dia após o governo ser novamente surpreendido pelo MDB na Assembleia. Ao lado dos partidos de oposição e de alguns parlamentares da base, todos os deputados emedebistas retiraram quórum na sessão de terça-feira sem avalizar os nomes indicados por Leite para a direção do Banrisul.
Foi a terceira sessão seguida com a mesma movimentação, sob a alegação de que pairam dúvidas sobre a remuneração que será concedida aos gestores do banco. Enquanto isso acontece, outras pautas ficam paradas.
O discurso de aproximação com Sartori já havia sido feito por Leite durante a solenidade de posse, quando elogiou o ex-governador. Após uma disputa acirrada entre os dois no segundo turno eleitoral, o governador disse que "eventuais diferenças" entre os dois "não me impedem de enxergar o seu caráter e a sua postura como homem público". Na ocasião, ele disse a Sartori que seguiria "o que foi bem feito no seu governo".
Notícias sobre o cenário político são importantes para você?
Receba conteúdos como este onde você estiver. Clique aqui e conheça as promoções para assinar! <<
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
""