Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de maio de 2019.
Dia do Assistente Social.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Senado

Alterada em 15/05 às 14h43min

Comissão aprova voto aberto para perda de mandato e prisão de senador

Texto também acaba com o voto secreto na eleição para presidente do Senado

Texto também acaba com o voto secreto na eleição para presidente do Senado


JONAS PEREIRA/AGÊNCIA SENADO/JC
Folhapress
A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado aprovou nesta quarta-feira (15) o voto aberto nas sessões para definir perda de mandato e prisão de senador. O texto também acaba com o voto secreto na eleição para presidente do Senado.
O texto segue para a comissão da Mesa Diretora e ainda precisa ser aprovada em plenário para que passe a valer.
Atualmente, o regimento interno da Casa diz que senadores não precisam se expor na hora de decidir sobre a perda de mandato e a prisão de colegas, pois a votação é secreta.
Apesar disso, o tema gerou polêmica em 2015, quando senadores tiveram que decidir sobre a prisão do então líder do governo Dilma Rousseff, Delcídio Amaral (PT-MS).
O presidente do Senado à época, Renan Calheiros (MDB-AL), havia decidido seguir o regimento e fazer a votação secreta.
No entanto, senadores se apegaram a uma interpretação que defende que, depois de uma emenda constitucional retiraro termo votação secreta do artigo 53 da Constituição, que trata da prisão de senadores,a votação deve ser aberta.
A votação acabou sendo aberta e a prisão foi decidida por 59 votos favoráveis, 13 contra e 1 abstenção.
Em relação à cassação de mandato, desde 2013, a Constituição não exige mais que a votação seja secreta, como diz o regimento interno.
O projeto de resolução aprovado na CCJ também abre o voto para a eleição dos membros da Mesa Diretora.
No início deste ano, houve um intenso debate sobre a possibilidade de abrir o voto para constranger potenciais eleitores de Renan Calheiros na disputa pela presidência do Senado.
A maioria dos senadores mostrou as cédulas para as câmeras ou declarou o voto no microfone. Venceu a disputa Davi Alcolumbre (DEM-AP).
Também está na CCJ uma PEC (projeto de emenda à Constituição) que estende o voto aberto também à eleição para presidente da Câmara.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia