Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de abril de 2019.
Dia da Engenharia.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

reforma da previdência

10/04/2019 - 15h43min. Alterada em 10/04 às 15h43min

Senado instala comissão especial para tramitação da PEC da Previdência

Estadão Conteúdo
O Senado instalou nesta quarta-feira, 10, a comissão especial criada para acompanhar a tramitação da proposta da reforma da Previdência enquanto ela ainda está na Câmara dos Deputados. A ideia é que os senadores sejam atualizados constantemente sobre as alterações que serão feitas pelos deputados para que, quando o texto chegar ao Senado, possa ter um andamento mais célere na Casa.
O presidente do colegiado, senador Otto Alencar (PSD-BA), afirmou que a comissão trará consciência aos parlamentares sobre os debates que serão feitos pelos deputados e ressaltou que os senadores não interferirão na tramitação da proposta enquanto ela estiver na Câmara.
O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) figura como o relator da comissão. O colegiado, no entanto, não terá um projeto na prática que possa receber um parecer, mas o senador já foi designado para relator da proposta da reforma quando ela for encaminhada ao Senado depois da análise que será feita pelos deputados.
O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, participa da primeira reunião da comissão. Ele está apresentando as bases da reforma da Previdência, que foi encaminhada ao Congresso em fevereiro.
"Ao apresentar a reforma, queremos um sistema justo e sustentável. Hoje ele é injusto e insustentável porque poucos ganham muito. Esta será a última oportunidade de o país ajustar a sua Previdência sem ter perda de direitos já adquiridos", disse.
Marinho afirmou que, se a reforma for aprovada como foi enviada pelo Executivo, haverá uma economia de R$ 1,64 trilhão para a União nos próximos dez anos e de R$ 329,5 bilhões para Estados e R$ 170,9 bilhões para municípios no mesmo período.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia