Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 22 de março de 2019.
Dia Mundial da Água.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo federal

22/03/2019 - 13h28min. Alterada em 22/03 às 13h28min

Mourão diz que é triste ter ex-presidente condenado e outro preso preventivamente

'Assistimos à lei sendo aplicada para todos', afirmou Mourão, após conversa com Eduardo Leite

'Assistimos à lei sendo aplicada para todos', afirmou Mourão, após conversa com Eduardo Leite


MARIANA CARLESSO/JC
Patrícia Comunello
Na vinda a Porto Alegre nesta sexta-feira (22), o presidente em execício da República, Hamilton Mourão, fez rápido comentário sobre as prisões da Lava Jato e ressaltou que elas mostram que a "lei funciona para todos":
"Assistimos à lei sendo aplicada para todos, apesar de ser triste ter ex-presidente condenado e outro preso preventivamente", afirmou Mourão.   
O governador Eduardo Leite (PSDB) e o presidente em exercício conversaram por cerca de 30 minutos, no fim da manhã, sobre temas como renegociação da dívida, situação fiscal do Estado e segurança pública. Depois, ao falar com a imprensa, ele citou o caso da prisão de Michel Temer. 
"Assistimos à lei sendo aplicada para todos. Apesar de ser muito triste a gente ver hoje um ex-presidente da República condenado e outro preso preventivamente, finalmente ela está se fazendo valer. Isso é importante para o amadurecimento da nossa democracia e para o nosso próprio amadurecimento como cidadãos brasileiros", disse o presidente em exercício.  
VÍDEOS JC: Confira o que Mourão disse sobre Temer e Lula
Depois do Piratini, Mourão foi para a Federação das Indústrias do Estado (Fiergs), para almoço fechado e depois deve participar de seminário sobre segurança pública. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia