Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Direitos Humanos

Alterada em 20/02 às 16h34min

Ministros voltam a debater criminalização da homofobia

Ministro Celso de Mello faz a leitura de seu voto, no qual salientou a inércia do Congresso em editar lei penal

Ministro Celso de Mello faz a leitura de seu voto, no qual salientou a inércia do Congresso em editar lei penal


NELSON JR./SCO/STF/DIVULGAÇÃO/JC
Estadão Conteúdo
O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) dá continuidade, nesta quarta-feira (20), ao julgamento dos processos que discutem se há omissão do Congresso Nacional em não editar lei que criminalize a homofobia e a transfobia. A questão está em discussão na Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 26, de relatoria do ministro Celso de Mello, e no Mandado de Injunção (MI) 4733, relatado pelo ministro Edson Fachin.
As informações foram divulgadas pelo STF.
O ministro Celso de Mello prossegue na leitura de seu voto, no qual já afirmou ser inquestionável a inércia do Congresso Nacional em editar lei penal que torne crime a violência contra gays, lésbicas, travestis e demais integrantes da comunidade LGBT.
Após o voto do ministro Celso de Mello, votará o relator do mandado de injunção, ministro Edson Fachin.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia