Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de fevereiro de 2019.
Dia do Gráfico.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

07/02/2019 - 16h26min. Alterada em 07/02 às 16h48min

Projeto para proibir DIU e pílula do dia seguinte foi por engano, diz deputado

De acordo com o parlamentar, o texto do projeto 'passou batido' junto a outros PLs

De acordo com o parlamentar, o texto do projeto 'passou batido' junto a outros PLs


REPRODUÇÃO/FACEBOOCK /JC
Estadão Conteúdo
O deputado federal Márcio Labre (PSL/RJ) solicitou a retirada de tramitação do projeto de lei 261/2019, de sua autoria, que propunha a proibição do comércio, propaganda e distribuição de métodos contraceptivos, como o dispositivo intrauterino (DIU), e da pílula do dia seguinte. No site da Câmara, o PL já consta como "retirado pelo autor".
O PL havia sido protocolado na segunda (4) primeiro dia de trabalhos da nova legislatura e teve repercussão negativa nas redes sociais. "O projeto em questão não tinha seu texto finalizado. A redação não correspondia aos reais anseios da população que represento", escreveu o deputado.
De acordo com ele, o texto do projeto "passou batido" junto a outros pelo menos cinco PLs formulados por ele e sua equipe. Ele promete uma nova versão da proposta. "A ideia principal do projeto, que apresentarei futuramente, quando finalizar os estudos que fundamentarão o texto, é informar sobre os efeitos dos medicamentos usados como contraceptivos que, na verdade, são micro abortivos."
Na versão protocolada do projeto, Marcio Labre considerava como "microabortivos", além do DIU e da pílula: "a pílula só de progestógeno (minipílula), o implante subcutâneo de liberação de progestógeno (Norpant), a pílula RU 486, a vacina anti-HCG e qualquer outro dispositivo, substância ou procedimento que provoque a morte do ser humano já concebido, ao longo de toda sua gestação, sobretudo antes da implantação no endométrio."
O texto previa a permissão a policiais para "apreender e destruir todo o material que viole, ou seja, destinado a violar o disposto nesta Lei, podendo interditar o estabelecimento industrial ou comercial que reiteradamente descumprir as presentes normas."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia