Porto Alegre, sábado, 01 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 01 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Governo do Estado

- Publicada em 15h49min, 06/02/2019. Atualizada em 16h20min, 06/02/2019.

Governo Leite entrega PEC que acaba com plebiscito para privatizações

Deputado Frederico Antunes recebeu o chefe da Casa Civil, Otomar Vivian

Deputado Frederico Antunes recebeu o chefe da Casa Civil, Otomar Vivian


Jabor Goulart/Palácio Piratini/Divulgação/JC
O Executivo gaúcho entregou, na tarde desta quarta-feira (6) à Assembleia Legislativa, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que pede o fim da exigência de plebiscito para a privatização das estatais Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), Companhia Rio-grandense de Mineração (CRM) e Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás). O deputado Frederico Antunes - líder do governo Leite na AL - recebeu o chefe da Casa Civil, Otomar Vivian, que procolou o projeto.
O Executivo gaúcho entregou, na tarde desta quarta-feira (6) à Assembleia Legislativa, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que pede o fim da exigência de plebiscito para a privatização das estatais Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), Companhia Rio-grandense de Mineração (CRM) e Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás). O deputado Frederico Antunes - líder do governo Leite na AL - recebeu o chefe da Casa Civil, Otomar Vivian, que procolou o projeto.
Na justificativa do pedido, o governo de Eduardo Leite afirma que a demanda decorre da atual situação estrutural das finanças públicas, a qual impõe a necessidade de reformas.
O governo ainda defende que a alteração da Constituição apenas desburocratizaria procedimentos e não desobrigaria a aprovação da privatização destas empresas pela maioria absoluta dos membros do Poder Legislativo gaúcho, "permitindo o debate democrático acerca das medidas que beneficiarão o povo gaúcho".
"Ademais, as respectivas proposições autorizativas porventura encaminhadas a esta Assembleia futuramente serão acompanhadas de propostas e alternativas que assegurem os direitos dos empregados e garantam a destinação adequada do patrimônio de cada estatal", afirma o texto.
Depois de recebida pela Casa, a PEC é publicada no Diário Oficial e lida durante sessão, aguardando transcurso previsto de 15 dias úteis. Após esse prazo, ela é encaminhada à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que tem 45 dias para apresentar parecer sobre sua admissibilidade.
Depois disso, a PEC é encaminhada a comissões de mérito para exame, com prazo de dez dias. Depois desse tempo, com ou sem parecer, ela é publicada no Diário da Assembleia e incluída na Ordem do Dia, a partir da qual é submetida a dois turnos de discussão e votação.

Confira o texto da PEC:

"Senhor Presidente:
Dirijo-me a Vossa Excelência para encaminhar-lhe, no uso da prerrogativa que me é conferida pelos artigos 58, II, e 82, inciso III, da Constituição do Estado, a anexa Proposta de Emenda à Constituição que propõe revogar os §§ 4º e 6º do art. 22 e os §§ 1º, 2º e 3º do art. 163 da Constituição do Estado do Rio Grande do Sul, que tratam da exigência de prévia consulta plebiscitária para a alienação, transferência do controle acionário, cisão, incorporação, fusão ou extinção da Companhia Estadual de Energia Elétrica – CEEE –, Companhia Rio-grandense de Mineração – CRM – e da Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul – SULGÁS, a fim de ser submetida à apreciação dessa Egrégia Assembleia Legislativa.
A justificativa que acompanha o Expediente evidencia as razões e a finalidade da presente proposta.
Atenciosamente, EDUARDO LEITE, Governador do Estado.
Excelentíssimo Senhor Deputado LUÍS AUGUSTO LARA,
Digníssimo Presidente da Assembleia Legislativa,

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO (PEC)

Revoga os §§ 4º e 6º do art. 22 e os §§ 1º, 2º e 3º do art. 163 da Constituição do Estado do Rio Grande do Sul.
Art. 1º Na Constituição do Estado do Rio Grande do Sul ficam introduzidas as seguintes modificações:
I – ficam revogados os §§ 4º e 6º do art. 22;
II – ficam revogados os §§ 1º, 2º e 3º do art. 163.
Art. 2º Esta Emenda Constitucional entra em vigor na data de sua publicação.

JUSTIFICATIVA

A presente Proposta de Emenda à Constituição Estadual busca precipuamente alterar as disposições constitucionais com o objetivo de retirar de seus comandos a norma que estabelece que a alienação, transferência do controle acionário, cisão, incorporação, fusão ou extinção da Companhia Estadual de Energia Elétrica – CEEE –, Companhia Rio-grandense de Mineração – CRM – e da Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul – SULGÁS somente poderão ser realizadas após manifestação da população expressa em consulta plebiscitária.
A atual situação estrutural das finanças públicas impõe que o Estado promova reformas na estrutura da Administração Pública para que se possa concentrar esforços nas atividades em que a sociedade gaúcha mais carece da presença do Estado, especialmente na segurança pública, na saúde e na educação, de modo a assegurar o bem estar social.
Com isso, o Governo do Estado terá melhores condições de realizar os investimentos necessários à implantação, no Estado, de empreendimentos estratégicos destinados, dentre outras finalidades, ao incremento da economia regional, à geração de empregos e ao aumento da competitividade da indústria gaúcha, sem deixar de buscar o suprimento transitório de insuficiências do Tesouro Estadual para que os servidores do Poder Executivo possam receber seus salários em dia.
A alteração da Constituição Estadual ora proposta não retira a determinação de que a alienação, transferência do controle acionário, cisão, incorporação, fusão ou extinção das Estatais acima mencionadas somente ocorra após a edição de lei aprovada pela maioria absoluta dos membros do pelo Poder Legislativo do Estado do Rio Grande do Sul, permitindo o debate democrático acerca das medidas que beneficiarão o povo gaúcho.
Ademais, as respectivas proposições autorizativas porventura encaminhadas à esta Assembleia futuramente serão acompanhadas de propostas e alternativas que assegurem os direitos dos empregados e garantam a destinação adequada do patrimônio de cada estatal.
Assim, o intuito da presente proposição é a de que eventual alteração na situação das Companhias mencionadas dependa de procedimentos menos burocratizados, permitindo que o Poder Executivo possa dar seguimento às medidas necessárias para tornar a máquina administrativa mais enxuta, moderna e efetiva.
Estas são, pois, as razões que justificam a presente proposição.
Comentários CORRIGIR TEXTO