Porto Alegre, sábado, 01 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 01 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Prefeitura de Porto Alegre

- Publicada em 22h36min, 05/02/2019.

Marchezan fala a empresários sobre revisão do Plano Diretor e Centro de Convenções

Bruna Suptitz
O projeto de revisão do Plano Diretor de Porto Alegre deve ser votado na Câmara Municipal até 2020, mas os debates sobre a proposta que o Executivo apresentará aos vereadores ainda não iniciaram. E, de acordo com o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB), não têm data para começar. A informação contraria o que o prefeito havia informado há um ano, quando anunciou que a discussão iniciaria ainda em abril do ano passado.
O projeto de revisão do Plano Diretor de Porto Alegre deve ser votado na Câmara Municipal até 2020, mas os debates sobre a proposta que o Executivo apresentará aos vereadores ainda não iniciaram. E, de acordo com o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB), não têm data para começar. A informação contraria o que o prefeito havia informado há um ano, quando anunciou que a discussão iniciaria ainda em abril do ano passado.
"A ideia era debater ao longo dos anos e fazer mudanças em etapas. No final, teria a estrutura completa (do projeto)", disse o prefeito ontem, após evento da Associação Comercial de Porto Alegre (ACPA), no qual falou a empresários sobre a responsabilidade de todos com a cidade.
"Não tivemos dentro da Smams (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, responsável por conduzir a revisão do plano) o que esperávamos, a capacidade de iniciar esses debates, e estamos buscando auxílio de fora para viabilizar", completou Marchezan.
A prefeitura aguarda agora a liberação de recurso do Programa de Modernização da Administração Tributária (PMAT) do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e, com esse recurso, pretende contratar uma consultoria externa que organizará o debate com a população e indicará os pontos que constarão no projeto de revisão.
Na coletiva à imprensa, Marchezan também explicou a situação do futuro Centro de Convenções de Porto Alegre, cujo prazo para a entrega do projeto que garante o recurso federal para a construção do espaço encerra em 1 de março. A elaboração do projeto e a construção estão orçados em R$ 60 milhões, com previsão de recursos do PAC Turismo, a fundo perdido. Contudo, como houve demora para apresentação do terreno que receberá o centro, Porto Alegre foi retirada do pacto, e precisa ser reinserida. O prefeito então pondera que é preciso uma garantia da União de que se terá acesso ao recurso.
Outras etapas do projeto já foram vencidas, como o licenciamento ambiental, cedido pelo Internacional - vizinho do terreno onde ficará o Centro de Eventos - e o estudo de viabilidade técnica, concedido pelo Sindicato de Hospedagem e Alimentação de POA e Região (Sindha). Também já se conhece a consultoria que fará o projeto, definida por licitação.
"Não assinamos o contrato com a empresa que vai fazer o projeto antes que tenhamos a garantia de que o recurso do governo federal vem", afirmou o prefeito, citando que a troca de comando no Planalto atrasou essa confirmação.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO