Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Meio Ambiente

Alterada em 14/01 às 16h14min

Presidente concordou em manter o Brasil no Acordo de Paris, diz Ricardo Salles

Na semana passada, Salles já havia defendido a permanência do País no Acordo, em entrevista. No entanto, houve críticas de membros do governo

Na semana passada, Salles já havia defendido a permanência do País no Acordo, em entrevista. No entanto, houve críticas de membros do governo


VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL/JC
Estadão Conteúdo
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) concordou em manter o Brasil no Acordo de Paris.
O ministro reconheceu que há oposição ao acordo climático dentro do governo mas que, "por ora, a participação do Brasil está mantida". As declarações foram dadas após almoço no Sevovi-SP com empresários do setor imobiliário.
Na semana passada, Salles já havia defendido a permanência do País no Acordo, em entrevista. No entanto, houve críticas de membros do governo.
Antes da posse, a posição do próprio presidente Bolsonaro em relação ao tema era oscilante. Ele chegou a defender a saída do País do acordo, mas depois recuou e prometeu lutar por mudanças no texto.
Salles não detalhou as mudanças a serem propostas. "As metas de redução de emissão, que o Brasil e os outros países concordaram, estão OK. O problema é como você internaliza esses princípios e estes valores na legislação do País. A nossa única preocupação é se esta legislação restringe a liberdade e a ação de empreendedorismo e a gestão do território. Vamos estar muito atentos a isso", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia