Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de janeiro de 2019.
Dia Nacional do Fotógrafo.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Palácio do Planalto

08/01/2019 - 14h59min. Alterada em 08/01 às 15h00min

Heleno nega que haja metas para 100 primeiros dias de governo

Cada ministro falou sobre a área de atuação e não foram apresentados planos concretos, afirmou Heleno

Cada ministro falou sobre a área de atuação e não foram apresentados planos concretos, afirmou Heleno


FÁBIO RODRIGUES POZZEBOM/ABR/JC
A segunda reunião ministerial de Jair Bolsonaro, nesta terça-feira (8) no Planalto, terminou mais uma vez sem a apresentação das metas para os 100 primeiros dias de governo, prometidas pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, porém, desmentidas pelo chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno.
Na semana passada, quando o presidente reuniu sua equipe empossada pela primeira vez, Onyx afirmou que, nesta terça, seriam divulgadas as medidas prioritárias de cada pasta para os próximos três meses. Ao final do encontro, no entanto, Heleno negou que esse tenha sido esse o tema da discussão.
"Que história é essa de esboço [para os 100 primeiros dias de governo]? Eu não apresentei esboço nenhum. A reunião não foi disso. Tem um livrinho aqui, que foi distribuído, acho que fala qualquer coisa de 100 dias, do Conselho de Governo... não tem nada disso [medidas prioritárias]", afirmou o ministro do GSI após a reunião com o presidente.
O governo experimentou o sabor da crise na semana passada, com o desentendimento entre as equipes política e econômica, e a ordem é ter cautela com possíveis anúncios.
Segundo Heleno, se Onyx se comprometeu a divulgar esses dados e metas esta semana, é ele quem deve ser cobrado.
"Cobrem dele [Onyx], não é minha função", completou o general considerado o guru do Planalto.
Heleno afirmou que cada ministro "falou um pouquinho" sobre sua área, mas que nada foi apresentado de forma concreta, nem mesmo detalhes da reforma da Previdência, considerada a principal bandeira da equipe econômica comandada por Paulo Guedes.
"Cada um apresentou um pouquinho do seu trabalho, eu nem me lembro aqui para detalhar, e nem sou eu que tenho que detalhar", declarou Heleno.
O ministro do GSI afirmou ainda que não está confirmada a reunião ministerial da próxima semana, apesar de um documento ter sido divulgado no fim do ano, ainda durante o governo de transição, estabelecendo um calendário de encontro de Bolsonaro com sua equipe para todas as terças-feiras.
"Não está definido que terá reunião toda semana. Se tiver possibilidade de fazer, tudo bem, mas na terça que vem não está marcada ainda", disse Heleno.
Essa é a segunda vez que os ministros se reúnem com Bolsonaro e nenhuma medida concreta é anunciada publicamente.
Na última quarta-feira (2), após a primeira reunião ministerial do novo governo empossado, Onyx concedeu uma coletiva de imprensa, na qual anunciou um pente-fino nos últimos gastos e atos do governo Michel Temer, mas nenhum projeto prioritário de Bolsonaro.
A expectativa, anunciada pelo próprio chefe da Casa Civil na ocasião, era que as prioridades fossem anunciadas nesta terça, porém, nem mesmo a coletiva de imprensa Onyx concedeu desta vez.
Mais cedo, Bolsonaro havia tuitado que, durante a reunião ministerial, ouviria seu time sobre "os planos, propostas de enxugamento das pastas e medidas de rápida implementação".
"Nosso país não pode mais esperar. Logo, novidades na linha que o brasileiro sempre exigiu! Bom Dia!", escreveu o presidente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia