Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de dezembro de 2018.
Dia do Arquiteto. Dia do Engenheiro.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

palácio do planalto

Edição impressa de 11/12/2018. Alterada em 11/12 às 01h00min

Futura gestão federal inicia uma nova fase na transição

Articulação para demais estruturas inicia nesta semana, informa Onyx

Articulação para demais estruturas inicia nesta semana, informa Onyx


ANTONIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC

A diplomação do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), e de seu vice, general Hamilton Mourão (PRTB), nesta segunda-feira, marcou o início da segunda temporada da transição: a montagem das equipes de segundo e terceiro escalões, o que pode interferir na composição de sua base no Congresso.

"Este trabalho se inicia nesta semana", informou o ministro Onyx Lorenzoni (DEM, Casa Civil). A primeira etapa, de formação de ministério, foi concluída no domingo com a escolha de Ricardo Salles (Novo) para o Meio Ambiente - a 22ª pasta.

Com deputados e senadores em Brasília, na cerimônia, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), já começaram as conversas com os partidos. Bolsonaro deve receber, ao longo desta semana, representantes dos partidos PSD, DEM, PP, PSB, além do próprio PSL. Parlamentares que estiveram com Bolsonaro nos últimos dias ouviram que ele não quer a velha política do toma lá, dá cá - indicação de cargos em troca de apoio político.

No entanto, o presidente eleito também sinalizou que não contará nas votações somente com o apoio das frentes parlamentares que, até o momento, definiram alguns nomes do primeiro escalão.

Congressistas que apoiaram Bolsonaro na campanha e que viram a Esplanada dos Ministérios ser preenchida sem que pudessem indicar aliados esperam uma sinalização do futuro governo sobre a abertura que terão para sugerir nomes às demais estruturas federais.

No Congresso, a avaliação é que essa estratégia de priorizar bancadas temáticas - como as do agronegócio, da segurança e evangélica - pode dar certo na votação da pauta sobre costumes, como a redução da maioridade penal. No entanto, parlamentares preveem entrave na votação das reformas tributária e da Previdência.

Um dos deputados que esteve na sede da transição na semana passada disse, reservadamente, que os aliados não podem "salvar o Brasil e pular na fogueira".

Para esses aliados, aprovar matérias com base na pressão da sociedade é sustentável só enquanto durar a lua de mel do governo com a população - o que dependerá do ambiente econômico do País. O líder do PR na Câmara, deputado José Rocha (BA), afirmou que seu partido dará apoio ao governo, mas não garante adesão às propostas, o que será analisado caso a caso.

Outra questão é a eleição dos presidentes da Câmara e do Senado. Por mais que os interlocutores de Bolsonaro digam que o Palácio do Planalto não vai interferir na disputa, a definição de quem o futuro governo apoiará tem reflexo, por exemplo, no espaço que o PSL terá nas duas casas.

Líderes estão negociando a formação de um bloco para lotear o comando da nova legislatura na Câmara, excluindo desses postos o PSL. No Senado, o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente eleito, é contrário à candidatura de Renan Calheiros (MDB-AL), considerado o mais forte por seus pares até agora.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia