Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de dezembro de 2018.
Dia Mundial da Propaganda.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

04/12/2018 - 15h15min. Alterada em 04/12 às 15h16min

Moro evita comentar julgamento de habeas corpus de Lula: faz parte do meu passado

Moro deixou oficialmente o cargo de juiz há cerca de duas semanas

Moro deixou oficialmente o cargo de juiz há cerca de duas semanas


SERGIO LIMA/AFP/JC
Estadão Conteúdo
O futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou que questões relativas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fazem parte do seu passado. Moro, então responsável pelas ações da Lava Jato em primeira instância, deixou oficialmente o cargo de juiz há cerca de duas semanas.
"A questão relativa ao ex-presidente Lula pertence à Justiça e não ao ministério. Isso faz parte do meu passado e não tenho nada a dizer a esse respeito", respondeu ao ser questionado por jornalistas.
A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) analisa nesta terça-feira (4) um novo habeas corpus apresentado pela defesa de Lula. No pedido, os advogados do petista querem a anulação dos atos do ex-juiz Sérgio Moro, que condenou Lula no caso do triplex do Guarujá.
Apresentado no início de novembro, o processo de Lula pede que seja reconhecida a suposta "perda da imparcialidade" do ex-juiz federal, anulando-se todos os atos do então magistrado no caso do triplex e em outras ações penais que miram o petista. Caso seja atendido, o pedido resultaria na liberdade do petista.
Na semana passada, a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, pediu ao Supremo a rejeição ao pedido.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia