Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de novembro de 2018.
Dia do Hoteleiro.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo de transição

Edição impressa de 09/11/2018. Alterada em 08/11 às 22h00min

Federasul apoia intenção de Leite de renovar ICMS

Governador eleito (d) se reuniu com João Dória (c) e Reinaldo Azambuja

Governador eleito (d) se reuniu com João Dória (c) e Reinaldo Azambuja


/ESTER GAZALLE/DIVULGAÇÃO/JC
Bruna Suptitz
O projeto que mantém as alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no mesmo patamar dos últimos três anos ainda não chegou na Assembleia Legislativa - a expectativa de ser protocolado nesta quinta-feira não se cumpriu - mas o futuro governador já costura apoios que podem ajudar a conquistar a maioria dos parlamentes para aprovar a matéria.
Nesta sexta-feira a formalização de apoio virá da Federação das Entidades Empresariais do Rio Grande do Sul (Federasul), que admite, conforme alegou a presidente Simone Leite em nota, "tolerar a temporária continuidade, por dois anos, das atuais alíquotas". Em contrapartida, cobrarão do futuro governador, em reunião na sede da entidade, que apresente "medidas que viabilizem a promessa da redução da carga tributária".
Esta atividade marca a retomada das agendas de Eduardo Leite no Estado. Na quinta-feira ele passou pelo Rio de Janeiro, onde gravou entrevista, e em São Paulo se reuniu com o governador eleito João Dória e Reinaldo Azambuja, reeleito no Mato Grosso do Sul - estas serão as três únicas gestões estaduais do PSDB a partir do próximo ano.
Os tucanos se posicionaram em relação ao governo federal. Leite defendeu que o partido se posicione favorável a uma agenda de reformas "que gere crescimento econômico e empregos", lembrando que os Estados dependem de medidas do plano nacional - uma será a renegociação da dívida com a União. Esse posicionamento, para Dória, "não se trata de fazer adesão ao governo (Jair) Bolsonaro (PSL), mas de fazer adesão ao Brasil e às boas práticas".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia