Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de novembro de 2018.
Dia Mundial do Urbanismo.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Transição

Alterada em 08/11 às 13h59min

Governadores tucanos manifestam apoio a agenda de Bolsonaro

'Dependemos de agenda nacional que gere desenvolvimento econômico', alega governador eleito do RS

'Dependemos de agenda nacional que gere desenvolvimento econômico', alega governador eleito do RS


LUIZA PRADO/JC
Folhapress
O governador eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), e os governadores tucanos eleitos do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e Reinaldo Azambuja, do Mato Grosso do Sul, manifestaram nesta quinta-feira (8) apoio à agenda do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).
A presença dos governadores não estava prevista na agenda, para anúncio do secretariado de Doria. Ao frisar que os três estados têm 59 milhões de habitantes e 37% do PIB, o novo governador paulista faz uma demonstração de força em relação a antigos caciques do PSDB, como Geraldo Alckmin e Tasso Jeiressatti.
O discurso dos três governadores do PSDB é de que não se trata de adesão a Bolsonaro. "Não se trata de fazer adesão ao governo Bolsonaro, mas de fazer adesão ao Brasil e às boas práticas", disse Doria. "Não é neutralidade. Não seremos neutros. Vamos apoiar todas as iniciativas econômicas e institucionais que vierem ao encontro dos brasileiros, sobretudo os mais pobres e mais humildes."
"Dependemos de agenda nacional que gere desenvolvimento econômico. Apoio de agenda nacional para reformas em torno da retomada de confiança de investidores", acrescentou Eduardo Leite.
O governador Azambuja afirmou que o partido não está pensando em cargos neste momento. "É agenda Brasil, não precisa ter participação no governo. Precisa ter liberdade o presidente eleito para compor uma equipe técnica", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia