Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de outubro de 2018.
Dia das Bruxas.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

presidência da república

Edição impressa de 31/10/2018. Alterada em 31/10 às 01h00min

Moro diz estar honrado com eventual convite do presidente

Em nota divulgada ontem, o juiz federal Sérgio Moro afirmou que está "honrado" com a afirmação do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), de que o convidará para ser ministro da Justiça ou do Supremo Tribunal Federal (STF) no futuro. "Caso efetivado oportunamente o convite, será objeto de ponderada discussão e reflexão", disse o magistrado.
Moro é o principal juiz da Operação Lava Jato no Paraná, e foi quem condenou o ex-presidente Lula no caso do triplex do Guarujá, em julho de 2017. 
Apesar das declarações, não houve, ainda, um convite pessoal ou oficial de Bolsonaro para o magistrado.
"Se tivesse falado isso lá atrás, durante a campanha, soaria oportunista, mas agora, sim: pretendo, sim (convidar Moro), não só para o Supremo, mas quem sabe para o Ministério da Justiça. Pretendo conversar previamente com ele. Com toda certeza será uma pessoa de extrema importância (em meu governo)", disse à TV Record.
Ao SBT, o presidente eleito reforçou que Moro seria muito bem-vindo em seu governo. "Ele é uma pessoa excepcional, que goza de um respaldo muito grande da população e tem conhecimento. O Ministério da Justiça pode ser um parceiro no combate à corrupção."
Amigos e pessoas próximas do juiz afirmaram à reportagem que dificilmente ele largaria a magistratura para se aventurar no Executivo, como ministro da Justiça.
Assumir uma vaga no STF, por outro lado, é um sonho do magistrado e representa um convite mais tentador. Isso depende, porém, da abertura de uma vaga na Corte - o que, no atual cenário, só aconteceria em 2020, com a aposentadoria compulsória do ministro Celso de Mello, membro mais antigo do tribunal, que completará 75 anos daqui a dois anos.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia