Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 19 de outubro de 2018.
Dia do Profissional de Informática. Dia da Inovação.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR
Edição impressa de 19/10/2018. Alterada em 19/10 às 01h00min

Debate na TV salientou argumentação sobre o RRF

Os dois candidatos do segundo turno na corrida ao Palácio Piratini também se encontraram, na noite desta quinta-feira, no debate realizado pela TV Bandeirantes.

Depois de, no primeiro bloco, José Ivo Sartori (MDB) e Eduardo Leite (PSDB) terem respondido a perguntas de eleitores sobre economia, segurança, funcionalismo público e geração de empregos, no segundo bloco o formato foi mais fluído, com livre discussão entre os concorrentes. Nesse momento, Leite iniciou o embate falando do Regime de Recuperação Fiscal (RRF), que tomou inteiramente o segundo bloco.

Segundo o tucano, Sartori fala que o RRF deixará R$ 11,3 bilhões no Estado sugerindo que esse dinheiro seria "dado" ao Estado. "Essa dívida que deixa de ser paga agora será cobrada à frente, com juros. O que determinará a recuperação não é deixar de pagar contas e sim o que será feito para ter de novo as condições de pagamento". Sartori rebateu, pontuando que medidas como a liminar que impede a cobrança da dívida são importantes. "Se você perder essa liminar, terá de dar R$ 4 bilhões para a União", advertiu. Para Leite, o plano não funciona da maneira como está colocado. "Segundo o regime, não se poderá incrementar efetivos. Só é possível repor a vacância. Precisamos de mais do que isso", insistiu.

O tucano ainda acusou o emedebista de não ter concretizado nenhuma das concessões de estradas que estavam previstas durante o mandato de Sartori, que culpou a realidade nacional pela dificuldade.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia