Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de outubro de 2018.
Dia Internacional do Combate à Obesidade.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

Alterada em 11/10 às 17h47min

PGR pede novo inquérito contra Eliseu Padilha no STF

Ministro negou irregularidades, que teriam ocorrido no âmbito do Incra

Ministro negou irregularidades, que teriam ocorrido no âmbito do Incra


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Agência O Globo
A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu a abertura de um novo inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. A suspeita é de que ele tenha interferido no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para que o órgão aceitasse pagar o preço apresentado pelo proprietário de uma fazenda desapropriada para o assentamento de 114 famílias.
O pedido de investigação foi feito a partir de uma reportagem jornalística. A quantia superaria em mais de 200% o valor estipulado por peritos do Incra. O relator do caso no STF é o ministro Luiz Fux.
A fazenda, localizada no interior de Goiás, tinha 4.900 hectares (o equivalente a um quadrado em que cada lado tem sete quilômetros). As famílias foram assentadas em 1996. Em 2018, o dono teria recebido ajuda de Padilha para que recebesse R$ 505 milhões. Os peritos do Incra, porém, avaliaram o imóvel em R$ 182 milhões. Até agora, não houve pagamentos.
Por meio do advogado Daniel Gerber, o ministro negou irregularidades. "O Ministro Eliseu Padilha esclarece não ter nenhuma relação com os fatos descritos pelo Ministério Público, estando à disposição do Poder Judiciário para qualquer esclarecimento", diz nota distribuída pelo defensor.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia