Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Edição impressa de 10/10/2018. Alterada em 10/10 às 01h00min

Em reunião da executiva do PSDB, Geraldo Alckmin critica João Doria: 'Traidor eu não sou'

Dois dias após amargar o quarto lugar na eleição presidencial, o candidato e presidente nacional do PSDB, Geraldo Alckmin, criticou o candidato ao governo de São Paulo, João Doria, durante reunião da executiva nacional do partido, em Brasília. Alckmin chama Doria de "temerista" e insinua que o ex-prefeito o traiu: "Traidor eu não sou".
Durante a reunião, Doria cobrava do partido mais ajuda financeira às campanhas dos candidatos a governos estaduais que passaram para o segundo turno. Em trecho da reunião obtido pela reportagem, Alckmin interrompe Doria e diz: "Traidor eu não sou".
A fala de Alckmin se deu após ouvir Doria reivindicar mais recursos e afirmar que, passada a eleição, o PSDB deve fazer uma autoavaliação sobre erros, acertos e equívocos da legenda nesta eleição. No contexto dos equívocos citados por Doria, Alckmin ainda afirmou: "O 'Temerista' não era eu não". E diz na sequência: "Você, você, você", numa associação com o governo federal marcado pelo alto grau de impopularidade. Alckmin era contrário ao ingresso do PSDB no governo Michel Temer.
Doria pede calma a Alckmin durante a reunião: "Compreendo a sua situação", disse o ex-prefeito ao presidente de seu partido e padrinho político. "Temos de ter calma e discernimento." Doria ainda defendeu que o PSDB declare apoio a Bolsonaro e afirmou que, ao seu ver, não há a menor condição de o partido não manifestar oposição ao PT neste segundo turno presidencial.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia