Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de outubro de 2018.
Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Edição impressa de 05/10/2018. Alterada em 05/10 às 01h00min

Ministério da Segurança promete pleito tranquilo com 280 mil agentes

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann (PPS), afirmou nesta quinta-feira que 280 mil agentes públicos das polícias estaduais e municipais e de órgãos federais vão atuar para garantir a segurança da população na eleição deste ano. A afirmação do ministro foi durante a inauguração do Centro Integrado de Comando e Controle (Ciccn) da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp).
Sediado em Brasília, na Polícia Rodoviária Federal (PRF), o Ciccn possui representantes de todos os estados e vai centralizar e coordenar as informações e ações relacionadas à segurança pública durante as eleições. Essas informações vão nortear a atuação das forças de segurança no país. Além desses órgãos, segundo Jungmann, as Forças Armadas também atuarão para garantir a segurança do transporte das urnas eletrônicas e nas localidades onde foi solicitado o reforço de segurança pelo Tribunal Superior Eleitoral.
"Um efetivo de 280 mil homens e mulheres estarão participando dessa ação de escala nacional de garantir a tranquilidade e a paz e o respeito a vontade dos eleitores de escolher aqueles que vão dirigir o País nos próximos quatro anos", explicou o ministro Jungmann.
Embora atue na repressão a esses casos, a PRF encaminha as autuações à Justiça Eleitoral que depois repassa à Polícia Federal que é a responsável por investigar possíveis crimes eleitorais.
Questionado pela imprensa sobre a possibilidade de confrontos causados pela polarização da disputa pela presidência da República, o ministro Raul Jungmann afirmou que até o momento a área de inteligência do Ministério da Segurança Pública não recebeu informações desse tipo.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia