Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Edição impressa de 13/09/2018. Alterada em 13/09 às 01h00min

Haddad evita falar de influência futura de Lula

O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), fez, nesta quarta-feira, sua primeira agenda de campanha como candidato do PT à presidência da República. O petista participou de um encontro com estudantes universitários beneficiados pelo ProUni e pela política de cotas. Haddad, que foi indicado, nesta terça-feira, pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), evitou falar qual será sua autonomia, caso seja eleito, e admitiu que o projeto de sua campanha tem Lula como principal liderança. 
"Ele validou cada ponto do programa comigo. Frequentei as dependências da Polícia Federal para isso, para que não tenhamos nenhum tipo de dúvida sobre o que vamos fazer", disse.
Haddad chegou acompanhado de Manuela d'Ávila (PCdoB), agora vice na chapa liderada pelo petista; de Ana Estela, sua mulher; e de auxiliares. Em entrevista coletiva concedida antes da conversa com os estudantes, Haddad evitou responder às críticas de adversários, como Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB), que tentam uma vaga no segundo turno. "Faz 18 anos que sou vidraça", disse.
Entre as propostas destacadas por Haddad antes do seu primeiro ato de campanha estão a reforma tributária e a participação dos institutos federais de educação na gestão de escolas públicas de Ensino Médio. O petista destacou que o Ensino Médio é competência dos estados, mas que as melhores escolas são federais. O candidato do PT também defendeu que as investigações sobre organizações criminosas sejam federalizadas, a cargo da Polícia Federal. Para Haddad, com isso, outras polícias poderão focar na proteção do cidadão.
Hoje, o programa eleitoral do PT no rádio e na TV vai explorar a biografia de Haddad, elogios do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a seu herdeiro político, e tentar iniciar de uma vez a transmutação entre ambos em rede nacional.
O principal desafio, segundo integrantes da equipe, será fazer o ex-prefeito de São Paulo mais conhecido nos redutos eleitorais fiéis ao petismo, mas, principalmente, reconquistar eleitores de Lula que migraram, com a indefinição da candidatura do PT, para nomes como Ciro Gomes (PDT). Para isso, Haddad vai centrar suas viagens no Nordeste, onde Lula é muito forte. Ele embarca mais uma vez para a região já no sábado.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia