Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Edição impressa de 11/09/2018. Alterada em 11/09 às 01h00min

Melhor maneira de se sentir seguro é não incitar o ódio, opina Marina

Em sua primeira viagem à Bahia na campanha deste ano, a presidenciável Marina Silva (Rede) adotou um tom conciliatório e criticou o discurso do uso da violência para combater a violência. Em sua segunda agenda pública após o atentado ao candidato Jair Bolsonaro (PSL), ela afirmou que não pedirá reforço em sua segurança nem deixará de participar de atos de rua. "A melhor forma de se sentir seguro é não incitando o ódio".
Marina também fez um paralelo entre à campanha presidencial de 2014 e a de 2018. Ela afirmou que campanha passada foi marcada pela violência política e pela desconstrução de biografias.
E disse que a atual está marcada pela "violência de fato", lembrando o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), os tiros desferidos contra a caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o atentado a Bolsonaro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia