Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de agosto de 2018.
Dia da Conscientização sobre a Esclerose Múltipla.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

30/08/2018 - 14h22min. Alterada em 30/08 às 14h26min

Ministro do TSE rejeita veto à divulgação de pesquisas com nome de Lula

Decisão destaca que, nas pesquisas, devem constar nomes de todos que tenham requerido registro

Decisão destaca que, nas pesquisas, devem constar nomes de todos que tenham requerido registro


MIGUEL SCHINCARIOL/AFP/JC
Estadão Conteúdo
O ministro Tarcísio Vieira, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), rejeitou um pedido apresentado pelo Instituto Democracia e Liberdade (IDL) para barrar a divulgação de pesquisas eleitorais com o nome do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso e condenado no âmbito da Operação Lava Jato no caso do tríplex do Guarujá (SP).
O objetivo do IDL era fazer com que o TSE editasse uma norma para proibir a divulgação direta ou indireta de pesquisas de opinião que incluam o nome de Lula e de candidatos que se encontrem em situação idêntica ou análoga.
Em sua decisão, Tarcísio Vieira destacou que uma resolução do TSE prevê que, na realização das pesquisas, deverão constar "os nomes de todos os candidatos cujo registro tenha sido requerido".
"Verifico que os representantes buscam, em verdade, a alteração da mencionada norma, o que não se mostra possível a esta altura do processo eleitoral", observou o ministro, em decisão assinada na última terça-feira.
"Conforme já decidiu este tribunal, a alteração dos critérios exigidos pela resolução em fase avançada do processo eleitoral causaria insegurança jurídica às entidades e aos institutos de pesquisa", concluiu Tarcísio Vieira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia