Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 03 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Edição impressa de 03/08/2018. Alterada em 03/08 às 09h24min

Ana Amélia aceita ser vice de Alckmin

Senadora disse que só aceitaria a vaga se pudesse manter autonomia

Senadora disse que só aceitaria a vaga se pudesse manter autonomia


WALDEMIR BARRETO/AGÊNCIA SENADO/JC
A senadora gaúcha Ana Amélia Lemos (PP) aceitou, na tarde desta quinta-feira, ser vice na chapa de Geraldo Alckmin (PSDB) para disputa pelo Palácio do Planalto.
A informação foi confirmada por lideranças de dois partidos que integram a aliança do PSDB. Ela havia sido procurada por Alckmin na quarta-feira e prometido uma resposta ainda nesta quinta-feira. Até o início desta semana, Ana Amélia descartava ser vice na chapa de Alckmin, mas disse que, agora, analisa a relevância do posto. Ao longo do dia, o pré-candidato do PSDB e representantes do centrão - DEM, PP, PR, PRB e SD - negaram repetidamente que tivessem feito o convite à gaúcha.
Depois de ser rejeitado pelo empresário Josué Alencar (PR), Alckmin e seus aliados não queriam sofrer o desgaste de uma nova recusa. O ex-governador de São Paulo se esforçava para chegar à convenção de seu partido, no sábado, já com o posto de vice definido.
O nome de Ana Amélia não é consenso no PSDB e também entre siglas do centrão. Embora Ciro Nogueira (PP) diga não haver veto à gaúcha, correligionários reconhecem a total falta de entrosamento entre a senadora e a cúpula do partido. Aliados de Nogueira dizem haver preocupação com uma eventual perda de poder da ala nordestina do PP.
Além da presidência da legenda com o senador do Piauí, cabe ao paraibano Aguinaldo Ribeiro a liderança do governo na Câmara, e ao alagoano Arthur Lira a liderança do PP na casa.
Outra preocupação é que, ao levar um quadro do partido para a vice-presidência, Alckmin queira diminuir o espaço que o PP tem, hoje, na Esplanada dos Ministérios.
A sigla domina, atualmente, as pastas de Saúde, Agricultura e Cidades, além da Caixa Econômica Federal. Integrantes da bancada do partido dizem, ironicamente, que Ana Amélia tem que ser tratada como cota pessoal do tucano.
Pela manhã, Ana Amélia disse que só aceitaria a vaga na chapa do PSDB se pudesse manter sua autonomia em um eventual governo. "Em qualquer lugar que eu estiver, se eu não for independente, se eu não pensar e agir com as minhas convicções, não serve para mim", afirmou a senadora.
Nascida em Lagoa Vermelha e jornalista durante cerca de 40 anos, ela termina, em 2018, seu primeiro mandato e estava empenhada em tentar a reeleição. Ao longo de seus oito anos no Senado, Ana Amélia apresentou 91 projetos de lei e 14 propostas de emenda à Constituição. Seis propostas apresentadas ou relatadas por ela se tornaram lei.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Meg 03/08/2018 11h38min
Ana Amelia vai fazer burrada..... Se envolver com corrupto nunca deu certo.
Marco Genaro Wolowski 03/08/2018 10h38min
Agora os Bolsonaros terão que votar no Alckmin!!! kkkkkkkkkk
Roger Dutra 03/08/2018 09h12min
Nunca mais voto nela...todo aquele discurso e faz isso.