Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 03 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Edição impressa de 03/08/2018. Alterada em 03/08 às 01h00min

Ao lado de Temer, Meirelles é oficializado como candidato

Henrique Meirelles (e) buscará independência de imagem impopular de Temer

Henrique Meirelles (e) buscará independência de imagem impopular de Temer


EVARISTO SA/AFP/JC
O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles foi oficializado candidato do MDB ao Planalto nesta quinta-feira, após conquistar apoio de 85% dos convencionais do partido. Participaram da votação 419 dirigentes da sigla, ou seja, o presidenciável conseguiu pelo menos 356 votos.
Meirelles enfrentava resistência de diretórios do Nordeste, mas conseguiu angariar mais da metade dos votos para ser chancelado o nome da sigla na sucessão presidencial. Agora, o candidato inicia sua campanha com o desafio de romper com o isolamento político e se desgarrar da impopularidade de Michel Temer (MDB), que o acompanhou durante toda a convenção.
Estacionado há meses com 1% das intenções de voto, precisará trabalhar para não se ver abandonado pelos correligionários, assim como aconteceu com Ulysses Guimarães, em 1989, última vez em que o MDB teve candidato à presidência da República. Meirelles terá ao menos um partido em sua coligação: o PHS. A executiva nacional da sigla decidiu apoiá-lo em reunião na tarde desta quinta-feira.
Meirelles chegou à convenção do partido em Brasília pouco depois das 11h30min, ao lado de Temer, de quem foi chefe da equipe econômica por pouco mais de dois anos. Terá, porém, que manter uma distância segura do padrinho caso queira deslanchar nas pesquisas, já que 92% das pessoas, segundo o Datafolha, dizem que não votariam em um candidato indicado pelo presidente.
Em seu discurso, Meirelles anunciou um pacto para resgatar a confiança que, de acordo com ele, o País perdeu sobre si mesmo. "O Brasil não precisa de um messias que se veste de salvador da pátria", afirmou. Meirelles disse querer que o Brasil volte a crescer 4% ao ano e que pode fazer um bom trabalho, porque sabe "onde os outros erraram".
Entre as medidas anunciadas, Meirelles afirmou que criará o cartão da família com recursos em crédito e o programa Brasil Integrado para a infraestrutura do País.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia