Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de julho de 2018.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

Edição impressa de 26/07/2018. Alterada em 26/07 às 01h00min

Ex-vice-presidente da Caixa pede perdão judicial à Suprema Corte

O ex-vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto pediu perdão judicial ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). Os advogados de Cleto também querem, ao menos, a redução da pena prevista no acordo de colaboração premiada, para extinguir o cumprimento de seis meses com tornozeleira eletrônica em regime domiciliar diferenciado, o que abriria caminho para que Cleto possa trabalhar para "sustento próprio".
Em junho, a Justiça Federal do Distrito Federal condenou Cleto a nove anos e oito meses de reclusão, no âmbito de um processo derivado da Operação Sépsis, que investiga desvios no Fundo de Investimento do FGTS. O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (MDB-RJ), por sua vez, foi condenado a 24 anos e 10 meses de reclusão, em regime inicialmente fechado.
A defesa de Cleto sustenta que apenas com a delação premiada do ex-vice-presidente da Caixa "é que foi possível identificar os coautores da organização criminosa, a sua estrutura hierárquica e recuperar boa parte do proveito das infrações penais, em especial porque os réus colaboradores devolverão montante milionário aos cofres públicos" - no caso de Cleto, o acordo prevê o pagamento de multa compensatória no valor de R$ 5 milhões.
A defesa observa que o perdão judicial não foi fixado no acordo de colaboração premiada, pois na época não se tinha conhecimento da proporção dos fatos narrados. Além disso, os advogados argumentam que a delação do ex-vice-presidente da Caixa levou à condenação de ex-membros do governo. O acordo de colaboração premiada de Cleto foi homologado em 2016 e embasou denúncias apresentadas pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o "quadrilhão do MDB" na Câmara e no Senado. Em seu acordo de colaboração, Cleto detalhou um esquema de propinas que teria se instaurado na Caixa sob a suposta tutela de Cunha.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia