Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de julho de 2018.
Dia de Proteção às Florestas .

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Notícia da edição impressa de 17/07/2018. Alterada em 17/07 às 01h00min

Presidente do partido de Bolsonaro quer evitar fake news por filiados

O presidente em exercício do PSL, Gustavo Bebianno, pediu que os integrantes do partido evitem divulgar notícias falsas no período eleitoral. 
Em comunicado a filiados, o dirigente da sigla de Jair Bolsonaro declarou que a disseminação de fake news pode provocar até a cassação de registros de candidaturas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "As fake news podem ter graves implicações, tanto na área cível quanto nas esferas criminal e eleitoral, podendo causar graves danos morais, materiais e de ordem patrimonial, podendo gerar até mesmo a cassação do registro de candidatura, conforme diversas manifestações do TSE", afirma.
No documento, assinado no dia 3 de julho, Bebianno declara que "as informações precisam necessariamente ter a sua autenticidade checada" antes de divulgação em e-mails e redes sociais.
O presidente do PSL, que é advogado de Bolsonaro, recomenda a verificação das fontes da notícia, a confirmação da autoria e a checagem das informações "em múltiplos veículos da mídia".
A cúpula da campanha de Bolsonaro teme que a divulgação de notícias falsas por integrantes do PSL prejudique a candidatura da sigla ao Palácio do Planalto. Em junho, o presidente do TSE, Luiz Fux, disse que uma eleição pode ser anulada se o resultado da disputa tiver influência de notícias falsas difundidas "de forma massiva".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia