Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de julho de 2018.
Feriado em São Paulo - Revolução Constitucionalista.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 09/07 às 11h16min

Defesa tenta soltura de Lula também no plenário do STF

Milhares de apoiadores de Lula protestaram pela sua libertação em São Bernardo do Campo no domingo

Milhares de apoiadores de Lula protestaram pela sua libertação em São Bernardo do Campo no domingo


MIGUEL SCHINCARIOL/AFP PHOTO/JC
Folhapress
A defesa do ex-presidente Lula tenta em diversas frentes reverter decisões contra ele, mas vem tendo a maior parte de seus pedidos sucessivamente negada em várias instâncias nos últimos três anos. Desde que se tornou alvo da Lava Jato, o ex-presidente encaminhou pleitos, por exemplo, questionando a imparcialidade do juiz federal Sergio Moro e dos procuradores da força-tarefa de Curitiba. Até agora, não teve sucesso em retirá-los dos casos.
O mais importante desses recursos foi decidido no STF nas vésperas da prisão do petista, em abril. Lula havia encaminhado um pedido de habeas corpus preventivo para impedir a prisão antes de sua condenação do caso do tríplex de Guarujá (SP) tramitar em todas as instâncias. Esse mesmo pedido já tinha sido negado no STJ (Superior Tribunal de Justiça).
Por 6 votos a 5, porém, os ministros do Supremo negaram o pedido na madrugada de 5 de abril. Naquele mesmo dia, Sergio Moro ordenou a prisão, que acabou acontecendo na noite do dia 7.Com o petista já preso, a defesa foi novamente ao STF pedir a soltura argumentando, entre outros pontos, que a ordem para o cumprimento da pena no caso tríplex não foi fundamentada pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).
O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, mandou o caso ao plenário da corte, composto pelos 11 ministros. Também em abril, a defesa teve uma vitória no Supremo, ao conseguir retirar das mãos de Moro trechos da delação da Odebrecht. Essa medida, porém, não provocou ainda a paralisação do processo sobre o sítio de Atibaia (SP), que está com Moro.
No início do ano, antes de o caso do tríplex ser julgado pelo TRF-4, a defesa pediu que Lula fosse ouvido pela corte. O relator, João Pedro Gebran Neto, negou argumentando que ele já tinha sido ouvido na primeira instância.
Logo após a condenação ser confirmada, ainda em janeiro, Lula foi ao STJ pedir também a suspensão da inelegibilidade do petista, o que foi negado. Durante a tramitação do processo, a defesa já havia tentado processar individualmente autoridades da Lava Jato. Contra o procurador Deltan Dallagnol, os advogados pediram indenização de R$ 1 milhão em função da apresentação em PowerPoint sobre acusações contra o petista, que foi negada.
Relembre os pedidos de defesa 
  • No dia 16 de janeiro, o TRF-4 negou pedido da defesa para que Lula fosse ouvido antes que a corte determinasse sua sentença no caso tríplex, no dia 24 de janeiro. O relator João Pedro Gebran Neto argumentou que a repetição do interrogatório exigiria o reconhecimento de eventual nulidade do primeiro, tomado pelo juiz Sergio Moro.
  •  No dia 30 de janeiro, o ministro Humberto Martins, do STJ, negou pedido de liminar de habeas corpus preventivo ao ex-presidente. A defesa também pedia a suspensão da inelegibilidade de Lula.
  •  No dia 2 de fevereiro, a defesa entrou com pedido de liminar de habeascorpuspreventivo no STF. O ministro Edson Fachin negou.
  •  No dia 6 de março, a 5ª Turma do STJ negou, por unanimidade, habeascorpuspreventivo pedido pela defesa de Lula.
  • No dia 26 de março, oTRF-4julgou os embargos de declaração no caso tríplex e decidiu manter o teor da decisão que condenou o ex-presidente a 12 anos e um mês de prisão. Os recursos haviam sido apresentados no dia 20 de fevereiro.
  •  No dia 4 de abril, por seis votos a cinco, o STF negou pedido de habeascorpuspreventivo para evitar a prisão de Lula. No dia 6, após o juizSergioMoro expedir mandado de prisão contra o petista,o ministro do STJFelixFischertambém negou pedido de habeascorpus. O ex-presidenteacabou se entregando na Superintendência da Polícia Federal em Curitibano dia seguinte.
  •  No dia 18 de abril, a 8ª Turma do TRF-4 negou, por unanimidade, os últimos recursos de Lula no caso tríplex (embargos dos embargos). Os juízes decidiram não conhecer os recursos - o mérito não chegou a ser analisado.
  • No dia 10 de maio, ministros da segunda turma do STF negaram pedido de liberdade de Lula.
  •  No dia 12 de junho, o ministro do STJFelixFischernegou pedido da defesa para suspender os efeitos da condenação de Lula até que a corte julgasse o recurso especial.
  • No dia 21 de junho, a defesa de Lula pediu ao STF para substituir a prisão em regime fechado por prisão domiciliar, ou outras medidas cautelares, caso não fosse concedida liberdade até o julgamento de seu recurso na corte. Quatro dias depois, o ministro Edson Fachin impediu que o pedido fosse julgado na Segunda Turma e o liberou para inclusão na pauta de julgamentos do plenário. O pedido não foi adicionado à pauta de agosto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia