Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Registro Espúrio

Notícia da edição impressa de 06/07/2018. Alterada em 06/07 às 01h00min

Carlos Marun é suspeito de ligação com fraudes no ministério

PGR disse que ainda não há provas de que Carlos Marun integrava a organização criminosa

PGR disse que ainda não há provas de que Carlos Marun integrava a organização criminosa


ANTONIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB), um dos principais articuladores políticos do governo Michel Temer (MDB), é suspeito de envolvimento com a suposta organização criminosa que, segundo a polícia e o Ministério Público, fraudava registros sindicais no Ministério do Trabalho.

A Polícia Federal pediu autorização para cumprir mandados de busca e apreensão em endereços de Marun e de sua chefe de gabinete, Vivianne de Melo, mas a Procuradoria-Geral da República (PGR) entendeu que, por ora, não havia provas de que o emedebista integre a organização criminosa.

Em suas manifestações ao Supremo, a PF e a PGR apontaram que materiais apreendidos anteriormente mostram que Marun "se vale de sua força política para solicitar concessões de registros das entidades (sindicais) de seu interesse".

Há conversas entre a chefe de gabinete de Marun, Vivianne, e Renato Araújo Júnior, ex-coordenador de Registro Sindical do Ministério do Trabalho, atualmente preso, que, para os investigadores, evidenciam as demandas do ministro da Secretaria de Governo dentro do Ministério do Trabalho. Em relatório, os investigadores registraram que, em 23 de maio deste ano, Júlio de Souza Bernardo, o Júlio Canelinha, chefe de gabinete do ministro do Trabalho preso nesta quinta-feira, enviou uma mensagem a Araújo Júnior na qual pediu que um despacho no Diário Oficial da União fosse revertido para atender a um pleito de Marun. A publicação contrariava interesses do ministro.

Conforme mensagens do ministro Helton Yomura (PTB) com auxiliares, interceptadas na operação, a decisão publicada no Diário Oficial era para atender aos interesses do Solidariedade em Santa Catarina, mas desagradou a Marun. A PF registrou que, em mensagem de 25 de maio de 2018, Canelinha retornou ao assunto das demandas repassadas por Marun, pedindo informações sobre o que já havia sido resolvido. "Percebe-se que, pela insistência, Júlio Canelinha está sendo cobrado para dar celeridade nos processos de interesse do ministro Marun, pressionando Renato a priorizar tais processos", diz o relatório. Marun e sua assessoria não atenderam aos telefonemas da reportagem.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia