Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de junho de 2018.
Dia Internacional de Combate às Drogas.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Judiciário

26/06/2018 - 11h13min. Alterada em 26/06 às 11h13min

STJ nega pedido de Ciro para suspender pagamento de indenização a Collor

Ciro foi condenado por chamar Collor de "playboy safado" e "cheirador de cocaína" em 1999

Ciro foi condenado por chamar Collor de "playboy safado" e "cheirador de cocaína" em 1999


MIGUEL SCHINCARIOL/AFP/JC
Folhapress
O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou nesta terça-feira (26) pedido do pré-candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) para suspender o pagamento de indenização ao senador Fernando Collor (PTC) por ofensas ditas em 1999.
À época, Ciro se referiu a Collor como "playboy safado" e "cheirador de cocaína". O pedetista foi inicialmente condenado a pagar R$ 100 mil por danos morais, mas o TJSP (Tribunal de Justiça de São Paulo) reduziu a indenização para R$ 60 mil. O ex-presidente pediu o depósito de R$ 301 mil ao requerer a execução provisória da condenação, contando juros moratórios.
Ciro Gomes pretendia a suspensão da condenação até o julgamento de um recurso interposto no STJ. "A concessão da tutela cautelar, para atribuição de efeito suspensivo a recurso inadmitido na origem, é excepcional e pressupõe a aferição da existência de decisão teratológica ou manifestamente contrária à jurisprudência deste Superior Tribunal de Justiça", disse o ministro do STJ Marco Buzzi, responsável pela decisão.
Em suas alegações, o ex-governador afirmou que não houve dano moral porque teria atuado dentro do exercício do direito de crítica ao adversário político, algo inerente ao processo eleitoral. Procurada, a assessoria de Ciro Gomes afirmou que ainda não foi notificada da decisão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia