Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 22 de junho de 2018.
Dia do Aeroviário.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Congresso Nacional

Alterada em 22/06 às 19h26min

Greenpeace assume ter deixado mala com alarme em comissão da Câmara

O Greenpeace assumiu ter deixado uma pasta contendo um alarme de moto no plenário 6 da Câmara dos Deputados na quarta-feira (20) onde era realizada uma reunião para discussão do projeto que altera as regras para registro, comercialização e uso de agrotóxicos no País.
Segundo a assessoria de imprensa do Greenpeace, o "protesto teve como objetivo chamar a atenção para os riscos da aprovação do projeto, que libera ainda mais agrotóxicos no Brasil". Em nota, a organização afirma que o equipamento foi retirado do local pouco depois. A sessão continuou, sendo suspensa mais tarde devido ao início da ordem do dia no Plenário da casa. O texto reitera que o alarme "não representava risco algum para a segurança dos presentes" e acrescenta que continuarão "mobilizados".
Nesta sexta-feira (22) as Associações dos Produtores de Milho (Abramilho), Algodão (Abrapa) e Soja (Aprosoja Brasil) divulgaram nota de repúdio à iniciativa do Greenpeace.
"Não é aceitável que, sob o argumento de 'alerta contra o PL', conforme divulgou em sua página, o organismo faça uso de objeto que simula uma arma para coagir os presentes. Diante da gravidade da situação, o setor produtivo pede transparência nas investigações e a punição dos responsáveis pelo ato", diz o texto.
No dia do ocorrido, a presidente da comissão especial, deputada Tereza Cristina (DEM/MS), afirmou que o artefato não apresentava riscos.
"A identificação da mala não determinou a interrupção, mas mostra a necessidade de se controlar a entrada na sala de comissão", complementou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia