Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de junho de 2018.
Dia da Telefonista.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

18/06/2018 - 19h19min. Alterada em 18/06 às 19h19min

Alckmin diz que declaração sobre 'legitimidade' não tira 'méritos de Temer'

Evitando fazer críticas diretas ao presidente Michel Temer, o pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, tentou justificar a declaração dada ao jornal O Estado de S.Paulo quando falou que Temer "padece de legitimidade".
Nesta segunda-feira (18), após participar de fórum na capital paulista, o tucano disse que não queria tirar "méritos" do governo e do presidente, e que já passou pela mesma situação quando assumiu o governo de São Paulo após a morte de Mário Covas, em 2001, ao tomar posse "sem votos".
"Não disse para tirar os méritos do atual governo nem do presidente Temer. É para mostrar que é difícil mesmo você, em final de governo, sem ter vindo do voto popular, poder implementar reformas que o País precisa e não pode adiar mais."
Após a entrevista de Alckmin, o ministro da Secretaria de Governo de Temer, Carlos Marun, disse que a declaração beirava "a hipocrisia" porque Alckmin também já assumiu um governo na condição de vice. Nesta segunda-feira, Alckmin quis minimizar o desconforto e disse que ele próprio havia feito a "constatação" sobre a falta de legitimidade.
Ao comentar sobre alianças eleitorais, Alckmin reforçou o aceno ao DEM e disse que quer o apoio do partido caso o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, não seja candidato ao Planalto. A aliança do DEM com o PSDB em São Paulo "ajuda" a consolidar um acordo nacional, destacou.
Questionado sobre o parecer do Cade que classificou a tabela de preços do frete editada pelo governo federal como incentivo ao cartel, o tucano disse que tabelamento "é coisa do passado". Para Alckmin, no entanto, o governo tem de cumprir o que prometeu em acordo com os caminhoneiros.
Alckmin defende que o reajuste no preço dos combustíveis não ocorra diariamente, mas em um intervalo de no mínimo 30 dias. Ele reforçou sua proposta de criar um "colchão tributário" para minimizar oscilações dos preços internacionais e da variação do dólar.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia