Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de maio de 2022.
Porto Alegre,
segunda-feira, 09 de maio de 2022.

Opinião

Compartilhar

ARTIGO

- Publicada em 15h39min, 09/05/2022.

Com quase 100 mil redações zeradas na última edição, o que esperar do Enem neste ano?

Marcus Vinícius de Souza
O Enem 2022 já tem data marcada: acontece nos dias 13 e 20 de novembro. As inscrições para o exame começam no próximo dia 10 e vão até 21 de maio. Mas a situação é delicada: com base nos últimos dados divulgados sobre o desempenho dos alunos no último ano pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), os estudantes devem se preparar, e muito, para conseguirem bons resultados na prova deste ano.
O Enem 2022 já tem data marcada: acontece nos dias 13 e 20 de novembro. As inscrições para o exame começam no próximo dia 10 e vão até 21 de maio. Mas a situação é delicada: com base nos últimos dados divulgados sobre o desempenho dos alunos no último ano pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), os estudantes devem se preparar, e muito, para conseguirem bons resultados na prova deste ano.
Em 2021, 95.788 estudantes tiraram nota zero na redação. Já a nota máxima, mil pontos, foi atingida por apenas 22 pessoas. A cada ano, o número de participantes que tiraram nota máxima na redação diminui: em 2019, foram 53 provas; já em 2020, apenas 28 textos conseguiram tirar "total" no texto.
Ao analisar esses dados, quais são as observações, ponderações e preocupações podemos fazer? Esses índices transcendem o Enem e fazem ecoar um sistema educacional repleto de fissuras, sobretudo a partir dos efeitos que a pandemia de Covid-19 trouxe, e traz, para a performance dos estudantes brasileiros em exames, provas, e, indubitavelmente, no mercado de trabalho e, o mais importante, em suas próprias vidas.
Como base numa leitura superficial desses índices divulgados pelo Inep, fica nítida a disparidade quanto à capacidade de produção textual dos estudantes brasileiros. A mediocridade e a insuficiência gritam, nos ouvidos dos pais, das escolas e dos próprios alunos, enquanto a excelência, tímida em um canto, se encolhe.
Os reflexos desse nefasto cenário certamente se tornam mais preocupantes quando associamos tais dados aos 38% de universitários que se encontram na condição de analfabetos funcionais e aos 50% de estudantes brasileiros que fizeram o último Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), no que tange à habilidade de leitura e interpretação de textos, classificados no nível 1, ou seja, o mais baixo dessa avaliação.
Além disso, os efeitos pandêmicos já começam a pedir passagem. Basta verificar as notas da maioria do corpo discente em avaliações escolares neste primeiro trimestre de 2022 para se ter uma ideia do tamanho da defasagem educacional – em todos os sentidos deste termo. Tal contexto vai se desenhando como um enorme desafio para os professores, afinal são eles que se encontram na linha de frente – expressão muito comum nos últimos anos – do sistema educacional, antes mesmo de reformas, legislações e algumas utopias pedagógicas protagonizarem.
Jogar a culpa na pandemia seria uma atitude bem simplória. No caso da educação, essa mazela apenas robustece problemas que estão instalados no país há alguns anos: o déficit educacional, a evasão escolar e o lugar da escola enquanto instituição social no século XXI. O período pandêmico deu um zoom nos entraves relacionados à formação do estudante brasileiro, seja do sistema público, seja do privado.
De fato, o que público infanto-juvenil fazia detrás de telas que se mostravam, por vezes, escuras? O que acontecia em seus quartos durante as aulas virtuais? Como eles encaravam as avaliações escolares? Como eles encaravam a si mesmos durante o novo normal? Será que havia preocupações reais quanto a esses (in)ofensivos contextos?
Vale ressaltar, ainda, que o déficit na aprendizagem, nítido a partir de 2021, vai trazer, e já está trazendo, defasagens ao ensino superior e ao mercado de trabalho. Haverá, quem sabe, em muitas pessoas, certa sensação de tempo escolar perdido e de baixa capacidade cognitiva. Como gestores de ensino, gerenciadores de carreira e empresas vão lidar com isso?
Pelo jeito, o futuro exigirá muito mais que planejamento. Encontrar um lugar no mundo para os futuros adultos não será, apenas, conquistar uma carreira, ter dinheiro, mas, de fato, saber como construir maturidade psicoemocional para lidar com uma sociedade que atravessa uma enorme transição.
  
 
Professor e escritor
Comentários CORRIGIR TEXTO