Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de janeiro de 2022.
Porto Alegre,
segunda-feira, 10 de janeiro de 2022.

Opinião

Compartilhar

ARTIGOS

- Publicada em 15h37min, 10/01/2022.

Compliance trabalhista é a chave para redução de passivos

Eduardo Tardelli
As leis trabalhistas surgiram em 1943, quando o então presidente Getúlio Vargas promulgou a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Desde então, a vida dos empregadores nunca mais foi a mesma, já que o compromisso com a segurança dos empregados se tornou lei.
As leis trabalhistas surgiram em 1943, quando o então presidente Getúlio Vargas promulgou a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Desde então, a vida dos empregadores nunca mais foi a mesma, já que o compromisso com a segurança dos empregados se tornou lei.
Uma série de normas se adaptam, de acordo com a evolução da sociedade, e tem como foco melhorar os direitos de grande parte do trabalhadores brasileiros, como regulamentar a jornada do trabalho, o salário mínimo, as férias anuais, a segurança, a proteção ao trabalho da mulher e do menor, a previdência social e demais regulamentações.
Durante todos esses anos, desde a criação da lei, diversas reformas já foram cogitadas e entraram em discussões. Uma que ganhou bastante notoriedade foi a Reforma de 2017, aprovada pelo governo federal. O destaque tem justificativa, a contribuição sindical não é mais obrigatória e, agora, o trabalhador que perder um processo trabalhista, deverá arcar com as custas.
Em agosto de 2021, outra mudança ganhou os noticiários: a minirreforma da CLT. Com o objetivo mitigar os efeitos do cenário pandêmico sobre a economia e o mercado de trabalho, esta permitiria empregos mais informais, o que, consequentemente, livraria o empregador da responsabilidade de alguns direitos que são assegurados pela CLT. Pouco discutida e com muitas inconsistências, apesar de ter sido aprovada na Câmara dos Deputados, a reforma foi barrada no Senado Federal.
A área trabalhista carrega o estigma de ser exageradamente judicializada, e com razão. Em 2020, o Tribunal Superior do Trabalho (TST), última instância da Justiça do Trabalho, aumentou em 5,1% em comparação ao ano anterior no número de novos processos trabalhistas, totalizando 407.373.
Antes mesmo de chegar até a alta corte da Justiça do Trabalho, empresas e funcionários passam por diversos desgastes até chegarem em um acordo. 
Diante de uma circunstância onerosa para as empresas e desgastante para o empregado, o compliance trabalhista entra como um importante papel na governança corporativa. De acordo com a startup Data Lawyer, dos processos trabalhistas movidos em 2020, grande parte foram por conta de irregularidades no aviso prévio, direito trabalhista previsto na CLT.
Ou seja, esses processos poderiam ter sido evitados, caso a empresa acompanhasse as alterações das Leis Trabalhistas, atividades executadas em conjunto pelos departamentos de Compliance e Recursos Humanos.
O papel do compliance trabalhista vai além: de acordo com o relatório expedido pelo Ministério Público do Trabalho e da Organização Internacional do Trabalho, de 2002 a 2020, o Brasil registrou seis óbitos em cada 100 mil empregos formais, colocando o País em 2º lugar no ranking de países do G20 em que há mais mortalidade por acidente de trabalho, perdendo apenas para o México. O dado alarmante coloca o compliance trabalhista como um importante agente na melhora da saúde de funcionários, bem como uma peça fundamental para evitar acidentes, com medidas simples de criação de normas, códigos de conduta e contato constante com o colaborador.
Além de ser uma ferramenta muito importante para a diminuição de passivos trabalhistas, ter um programa de compliance sólido garante a promoção de um meio ambiente de trabalho que atende às normas de saúde e segurança.
Um programa bem desenvolvido aumenta a credibilidade no mercado e facilita negociações com fornecedores e investidores. Investir na prevenção também melhora o desempenho dos funcionários.
Muito se fala em tratar o cliente de maneira mais humanizada, e isso é imprescindível. No entanto, é necessário trazer a mentalidade para dentro de casa e encarar a empresa como uma grande engrenagem que só funciona com pessoas.
CEO da upLexis Tecnologia
Comentários CORRIGIR TEXTO