Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021.
Dia do Esportista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021.

Opinião

Compartilhar

artigo

- Publicada em 15h36min, 19/02/2021.

Retenção escolar seria solução para dificuldades educacionais

Ana Regia Caminha Braga
Com o retorno gradual das aulas presenciais, pais e responsáveis começam a se questionar: será que meu filho teve um bom aproveitamento do ano letivo de 2020? Seria a retenção escolar a melhor solução para que as crianças tenham mais tempo para aprender e assimilar os conteúdos passados? Diante da situação atípica do processo de ensino na pandemia, a recomendação do Conselho Nacional de Educação (CNE) é de que se evite a reprovação nas escolas, contudo a melhor solução é levar o dilema para um diálogo entre responsáveis e equipe pedagógica.
Com o retorno gradual das aulas presenciais, pais e responsáveis começam a se questionar: será que meu filho teve um bom aproveitamento do ano letivo de 2020? Seria a retenção escolar a melhor solução para que as crianças tenham mais tempo para aprender e assimilar os conteúdos passados? Diante da situação atípica do processo de ensino na pandemia, a recomendação do Conselho Nacional de Educação (CNE) é de que se evite a reprovação nas escolas, contudo a melhor solução é levar o dilema para um diálogo entre responsáveis e equipe pedagógica.
Na ânsia de não prejudicar o conhecimento de um filho, muitas famílias acabam optando pela retenção escolar sem levar em consideração o que esse atraso pode significar. Refazer o ano vai ser positivo ou vai apenas reforçar um fracasso que esse aluno teve? Se for uma dificuldade pequena, a criança pode recuperar com aulas de revisão. Já um problema significativo, que vai comprometer os próximos anos, pode exigir mais do que a repetição de ano, mas sim o acompanhamento de um psicopedagogo ou psicólogo.
Ainda que nem todos os estudantes tiveram acesso de forma igualitária ao ensino remoto, o momento pede uma maior confiança por parte da família no professor regente. Afinal, mesmo com os desafios das aulas online, este educador acompanhou a evolução da criança durante o período e está capacitado para fazer uma avaliação assertiva sobre seu desempenho escolar.
Sabemos que a defasagem é realidade. Entretanto, as escolas já estão pensando em estratégias para que os alunos mais afetados pela pandemia possam, ao longo do tempo, desenvolver tudo aquilo que lhes é de direito sob a ótica curricular, com aulas de reforço no contraturno e um planejamento intensivo dos conteúdos. Como especialista, a retenção não me parece a melhor opção, mas a decisão final cabe à família e à coordenação pedagógica.
Psicopedagoga especialista em Gestão Escolar e Educação Especial
Comentários CORRIGIR TEXTO