Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021.

Opinião

Compartilhar

artigo

- Publicada em 03h00min, 12/02/2021.

Vacina e economia

Comandante Nádia Gerhard
Os dois temas precisam andar juntos. A vida num primeiro plano. Dito o óbvio, vamos para o tema mais complexo: economia. A questão econômica mata direta e indiretamente, e atinge a todos os brasileiros, em menor ou maior intensidade.
Os dois temas precisam andar juntos. A vida num primeiro plano. Dito o óbvio, vamos para o tema mais complexo: economia. A questão econômica mata direta e indiretamente, e atinge a todos os brasileiros, em menor ou maior intensidade.
Mas sempre, como sabemos, os mais necessitados são impactados de forma avassaladora. Não estou falando puramente de dinheiro, pois trabalho vai além disso. O emprego é a dignidade do ser humano, mexe com a autoestima, interfere no ambiente familiar; enfim, é questão de vida.
É preciso estimular a economia para melhorar tudo isso que foi dito. Faz-se necessário gerar milhões de empregos. O desafio do momento é esse.
Porém, sabemos que isso não se consegue de uma hora para outra. O primeiro passo é todas as esferas (municipal, estadual e federal) caminharem no mesmo sentido. O momento requer gestão exemplar dos recursos, que são escassos para todos.
Um exemplo singelo disso: o meu gabinete economizou 93% do recurso disponível em 2020. Esse dinheiro voltou para a Prefeitura de Porto Alegre, que investiu em saúde. Mas, agora o momento exige mais; já não basta apenas economizar. O início da imunização, com a chegada da vacina, é o início da recuperação econômica. Porém, não há espaço para erros.
Um pacote de medidas em harmonia com as três esferas é essencial, já que a maioria das Prefeituras está prevendo redução na arrecadação. E, por outro lado, sabemos que não há margem para aumentar ainda mais os impostos.
Em resumo, o caminho que devemos seguir: desburocratizar a abertura de empresas, simplificar obrigações no setor da construção civil (que gera milhares de empregos), oferecer crédito com juros reduzidos ou sem juros aos empreendedores, incentivar o agronegócio com a melhoria de acessos e estradas, atrair multinacionais com segurança jurídica e investir em tecnologia, que resulta em eficiência e economia. Enfim, o caminho é árduo, mas existe uma trilha a ser seguida.
Vereadora de Porto Alegre (DEM)
 
Comentários CORRIGIR TEXTO