Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de outubro de 2020.
Dia do fisioterapeuta e do terapeuta ocupacional.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 13 de outubro de 2020.

Opinião

Compartilhar

artigo

- Publicada em 03h00min, 13/10/2020.

O voto que resolve

Dagoberto Lima Godoy
Os dois equívocos são da mesma natureza: tanto confundir a essência da democracia com eleições diretas e voto universal, quanto desqualificar o processo, julgando o povo brasileiro despreparado para votar. Porque democracia se constrói com participação, mais do que com votação e esta, sem aquela, conduz à direção oposta: à oligarquia, seja a das chamadas elites, seja a das "nomenclaturas" dos regimes neocomunistas (como recém experimentamos).
Os dois equívocos são da mesma natureza: tanto confundir a essência da democracia com eleições diretas e voto universal, quanto desqualificar o processo, julgando o povo brasileiro despreparado para votar. Porque democracia se constrói com participação, mais do que com votação e esta, sem aquela, conduz à direção oposta: à oligarquia, seja a das chamadas elites, seja a das "nomenclaturas" dos regimes neocomunistas (como recém experimentamos).
Alienação mais voto obrigatório propiciam campo fértil à demagogia e ao coronelato, com manejo das bases populares, muitas vezes reduzidas a "currais eleitorais".
Por outro lado, os setores mais instruídos, pretensamente mais preparados para bem votar, costumam sufragar candidatos que defendam e ampliem seus privilégios.
De resto, nas condições atuais, nossas eleições se assemelham às pesquisas de "boca de urna", por traduzirem, em geral, o pensamento descompromissado do eleitor, no momento da votação.
Mesmo assim, como patriotas e amantes da democracia, devemos participar e curtir intensamente as emoções das eleições, como exercícios indispensáveis para construir uma grande nação. Mas devemos estar preparados para identificar e repelir as manobras solertes de quantos pretendam manipular as massas populares usando técnicas espúrias que, a despeito de usarem tecnologias atuais, se assemelham às que a história da humanidade ensina associar aos inimigos da democracia.
Para construirmos a democracia de nossos sonhos, é preciso ir ao cerne da questão: a institucionalização de processos que induzam à participação política de toda a população, através das escolas e das associações da sociedade civil de todo tipo, além - evidente e principalmente - dos partidos políticos. Estes, terão que atuar além das fases pré-eleitorais, para funcionarem permanentemente como centros de estudos e debates dos problemas nacionais, na sua total amplitude. Para se tornarem, enfim, formadores da cultura política nacional e indutores da participação livre e engajada dos cidadãos.
Somente então estaremos nos habilitando a colher os frutos do efetivo exercício dos deveres e direitos democráticos (nessa ordem): voto consciente e competente, eleições livres e representativas, governos justos e eficientes. Tudo, é claro, num processo dinâmico e auto aperfeiçoador, que, se leva tempo e não dispensa lutas, estará no caminho certo.
Engenheiro e advogado
 
Comentários CORRIGIR TEXTO