Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 31 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 31 de julho de 2020.

Opinião

Compartilhar

artigo

Intermediação reduz estresse entre anjos e startups no processo de investimento

Romulo Perini
Muitas vezes a cobrança exagerada por resultados ou palpites que nem sempre estão condizentes com a realidade do negócio leva investidores em startups a adotarem formas de abordagem totalmente contrárias a um tipo de parceiro que o mercado convencionou chamar de ‘anjo’.
Muitas vezes a cobrança exagerada por resultados ou palpites que nem sempre estão condizentes com a realidade do negócio leva investidores em startups a adotarem formas de abordagem totalmente contrárias a um tipo de parceiro que o mercado convencionou chamar de ‘anjo’.
Por outro lado, por mais angelical que seja, paciência tem limite e a falta de respostas claras por parte dos executivos que estão à frente do empreendimento investido pode acabar levando a atritos sérios.
Diante da clara necessidade de equilíbrio nessa relação, começa a ganhar força no mercado a figura do intermediador de investimento anjo. Ele é um ente independente que consegue entender as necessidades dos dois lados e conduzir o processo, desde a análise do investimento até a realização, reduzindo significativamente a ocorrência de atritos e buscando tirar o máximo da relação entre ambos.
Os representantes deste novo elo de conexão entre as partes, implementam logo no início um modelo de gestão mais robusto nas investidas, organizando um conselho consultivo que se reúne para discutir os resultados e projetos mensalmente.
O resultado desta reunião é então compartilhado com os demais investidores que se reúnem com frequência e têm a oportunidade de acessar um documento detalhado com resultados do negócio e dar sugestões para serem inicialmente debatidas no grupo e depois levadas aos empreendedores.
Fica claro no processo que a correta gestão de stakeholders é fundamental para o sucesso da relação visando um desenvolvimento mais rápido e bem-sucedido do negócio.
Muitas vezes, a experiência tem mostrado que negócios com grande potencial até conseguem atrair o capital humano e financeiro necessário para alavancar seu crescimento, mas a falta de equilíbrio para administrar as tensões acaba impedindo que as coisas aconteçam de uma forma satisfatória para os envolvidos.
Ao contar com consultorias especializadas, de preferência que tenham conhecimento ou que tenham atuado até como consultoria para a startup, o gerenciamento das expectativas, frustrações e ansiedades ganha um filtro de qualidade que proporciona aos anjos a possibilidade de continuarem sendo vistos como sinônimos de bondade.
Enquanto isso, os empreendedores conseguem focar 100% no negócio em si, buscando o tão esperado crescimento que vai beneficiar a ambos os lados.
Consultor de inovação
Comentários CORRIGIR TEXTO