Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de junho de 2020.
Dia da Telefonista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 29 de junho de 2020.

Opinião

CORRIGIR

Artigos

29/06/2020 - 16h13min. Alterada em 29/06 às 22h12min

Mais bicicletas

Jocelin Azambuja
Cada vez mais o mundo vê que o transporte individual, um dos mais antigos da humanidade, a Bicicleta, como uma das soluções para transporte nas grandes cidades. Com a pandemia o ar melhorou nas grandes metrópoles, pela baixa circulação dos automóveis e a bicicleta é opção. Recordo-me da minha infância, na década de 60, o quanto era apaixonado por bicicletas. Eu e meus irmãos não tínhamos, mas nossos amigos Marco Tulio, Antônio e Polo, tinham e com eles pedalávamos do bairro Nonoai por Porto Alegre.
Cada vez mais o mundo vê que o transporte individual, um dos mais antigos da humanidade, a Bicicleta, como uma das soluções para transporte nas grandes cidades. Com a pandemia o ar melhorou nas grandes metrópoles, pela baixa circulação dos automóveis e a bicicleta é opção. Recordo-me da minha infância, na década de 60, o quanto era apaixonado por bicicletas. Eu e meus irmãos não tínhamos, mas nossos amigos Marco Tulio, Antônio e Polo, tinham e com eles pedalávamos do bairro Nonoai por Porto Alegre.
Quando, na década de 90, fui vereador de Porto Alegre aproveitei para propor as bicicletas como uma alternativa de transporte para lazer e o trabalho. Propus ao prefeito Tarso Genro que fizéssemos ciclovias, fez a de Ipanema. Inaugurada esta, nada mais foi feito sob a alegação de que a cidade tinha muitos morros. Não me convenci e com um assessor, o arquiteto Renato Moreira, fizemos projetos de lei autorizativos, que o regimento da Câmara permitia, com várias leis de ciclovias: Da Zona Sul saindo da Diário de Notícias até a Usina do Gasômetro, do Estudante na Ipiranga até a PUC e UFRGS, a de Integração dos Parques, Marinha, Harmonia, Redenção e Parcão, do Trabalhador ia do Gasômetro pela Voluntários, Sertório até Assis Brasil e Baltazar de Oliveira Garcia. Tive apoio da maioria dos vereadores para aprovar as leis, colegas como: Jair Soares, Isaac Ainhorn, João Dib, Clênia Maranhão, Divo do Canto, Nereu D’Avila e tantos outros que me são caros. Em 2009 foi feita uma consolidação de leis e propostas novas, sendo criado o Plano Cicloviário de POA, que foi avançando com a construção dessas e outras utilizadas com segurança.
Tive oportunidade, no início dos anos 2000, em viagens a Paris e Londres, de ver a implantação e uso dos módulos de locação de bikes, achei excelente. Hoje também é uma realidade em Porto Alegre.
Com a pandemia o mundo viu que temos que ampliar o uso das bicicletas nas cidades, para diminuir a poluição. Agora, por exemplo, o governo inglês decidiu investir bilhões para ampliar as ciclovias, revendo seus modais de transporte para estimular o uso das bicicletas.
Vejam como o tempo é maravilhoso, na década de 90 diziam que era uma bobagem fazer ciclovias e não priorizar o automóvel, agora se dão conta da importância para o meio ambiente e a qualidade de vida termos ciclovias. Portanto, a bicicleta é uma solução de transporte sustentável.
Advogado e ex-vereador de Porto Alegre
CORRIGIR
Comentários